América do Norte | América Latina

Venezuela pede extradição de Clíver Alcalá aos EUA

O Supremo Tribunal de Justiça da Venezuela (TSJ) anunciou que declarou “procedente” solicitar aos Estados Unidos (EUA) a extradição do militar aposentado, Clíver Alcalá Cordones, acusado pela Justiça venezuelana de tentar assassinar o presidente Nicolás Maduro.

“A Câmara de Recurso Criminal do Supremo Tribunal Federal considerou oportuno solicitar aos Estados Unidos da América a extradição do cidadão Clíver Alcalá Cordones (…), pela suposta autoria do crime de homicídio doloso qualificado em grau de frustração, na pessoa (. ..) de Nicolás Maduro “, indicou o poder judiciário em nota divulgada na quarta-feira.

A Venezuela também acusa o militar aposentado pelos supostos crimes de traição contra a Pátria, tráfico ilícito de armas de guerra, terrorismo e associação.

A justiça venezuelana vincula Alcalá Cordones, ex-colaborador de Hugo Chávez que se distanciou de Maduro, de liderar um plano para depor o presidente e assassinar as principais figuras do Chavismo, que governa o país desde 1999.

Cordones entregou-se às autoridades dos EUA em março de 2019

Em março passado, o ex-militar, que vivia em Barranquilla, entregou-se às autoridades norte-americanas depois de ser acusado, juntamente com Maduro e outras 13 pessoas, de envolvimento com o narcotráfico, e poucas horas depois de o Ministério Público venezuelano ter pedido à Colômbia a sua extradição.

No final do mesmo mês, Alcalá Cordones declarou-se “inocente” das acusações perante um juiz federal de Nova Iorque, em audiência virtual, via Skype.

Os Estados Unidos estavam a oferecer uma recompensa de 10 milhões de dólares pela captura de Alcalá Cordones pelo seu suposto papel em permitir que traficantes de drogas colombianos transportassem cocaína pela Venezuela.

Segundo as procuradorias da Flórida e de Nova Iorque, onde as acusações foram apresentadas, há 20 anos, desde que o falecido presidente Hugo Chávez assumiu o poder em 1999, o Executivo venezuelano alegadamente participou de uma “conspiração violenta e corrupta” com as FARC para traficar cocaína.

O Ministério Público colombiano também anunciou em março passado que tinha aberto uma investigação contra Alcalá Cordones, depois de ter reconhecido publicamente a sua ligação com um lote de armas apreendidas naquele país, que o governo de Maduro indicou que seriam utilizadas num golpe de estado.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo