América Latina | Economia

Venezuela: Petro não tem utilizadores, não tem investidores e não tem petróleo para o sustentar

A agência de notícias Reuters divulgou um relatório especial da Venezuela, lançando sérias dúvidas sobre a viabilidade do petro. Após uma investigação de quatro meses sobre o assunto, a agência não conseguiu encontrar utilizadores, investidores ou recursos prontamente recuperáveis que apoiem a moeda. Além disso, o governo de Maduro parece ser incapaz de explicar onde está o processo de desenvolvimento e os seus esforços para promovê-lo não estão implementados.

Contrariando as declarações do presidente Maduro de que o petro já arrecadou 3,3 mil milhões de dólares e está a ser usado ativamente para pagar as importações, um ministro do gabinete revelou que a moeda ainda não está pronta para circular. Hugbel Roa, que supervisiona o Blockchain Observatory do governo venezuelano, disse à Reuters que a moeda ainda está em desenvolvimento e que “ninguém conseguiu usar o petro… nem recebeu recursos”. O responsável descreveu as transações baseadas no NEM como “Modelos antigos” e explicou que os compradores só fizeram “reservas” para o petro, mas ainda não entrou em circulação.

O petro está associado ao preço de um barril de petróleo venezuelano e deve ser sustentado por reservas de petróleo de um bloco de 380 quilómetros quadrados conhecido como Ayacucho I, que o governo alega ter 5,3 mil milhões de barris. Quer a alegação seja verdadeira ou não, serão necessários grandes investimentos em infraestruturas para desenvolver a área remota e proceder à extração do petróleo, e o governo venezuelano não está em condições de suportar tal investimento no momento. Repórteres visitaram a cidade de Atapirire, localizada no bloco, e encontraram apenas estradas em ruínas, bombas antigas de petróleo abandonadas e moradores reclamando sobre cortes de energia e crianças famintas.

Um ex-ministro do petróleo que durante dez anos fez parte do governo do presidente Hugo Chávez e agora vive no exílio, Rafael Ramirez, estimou recentemente que custaria pelo menos 20 mil milhões de dólares para conseguir acesso às reservas prometidas. “O petro está a ser definido num valor arbitrário, que só existe na imaginação do governo”, afirmou Ramirez.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo