Afeganistão: Pobreza faz disparar venda de órgãos

No Afeganistão existem cada vez mais pessoas a vender órgãos devido à pobreza, avança a “Euronews”. Muitos só conseguem alimentar as suas famílias dessa forma, usando assim o dinheiro que recebem pelos órgãos que cedem. 

Segundo o médico cirurgião Ahmad Shekaib, já realizou 85 cirurgias só em 2022. As pessoas que vendem o rim “vão ter problemas de saúde a longo prazo”, alertou, realçando que “a cultura da doação de rim não é normal no Afeganistão” e que só estão a fazê-lo pelo dinheiro. 

Um dos doadores foi Ghulam Hazrat, de 40 anos, que necessitava de comprar comida para os filhos. “Não podia ir para a rua mendigar por dinheiro, então decidi ir ao hospital e vender o meu rim”, partilhou. 

A pobreza no Afeganistão tem aumentado há vários anos, mas piorou drasticamente desde que o regime talibã voltou, a 15 de agosto de 2021.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin