Afeganistão: Realizada primeira execução pública desde regresso dos talibãs

Os talibãs voltaram à prática de execuções públicas, tendo executado nesta quarta-feira, 07 de dezembro, um afegão condenado por homicídio. É a primeira que acontece desde a tomada do poder no Afeganistão, ocorrida em agosto de 2015. 

A informação foi avançada à imprensa por um porta-voz dos fundamentalistas islâmicos. A execução contou com a presença de centenas de espetadores. 

Esta ação demonstra as intenções dos novos governantes do país em continuarem com as políticas que tinham antigamente, que consistiam em cingirem-se à sua interpretação da lei islâmica, ou Sharia. 

De acordo com o porta-voz máximo do Governo talibã, Zabihullah Mujahid, a decisão da punição foi “tomada com muito cuidado”, tendo tido a aprovação por três dos mais altos tribunais do país e do líder supremo dos talibãs, Mullah Haibatullah Akhundzada. 

O homem executado, identificado como Tajmir da província de Herat, foi condenado por ter assassinado outro homem há cinco anos e roubado a sua mota e telemóvel.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

Cabo Verde: UCID comenta mensagem de Ano Novo do PR

O líder da UCID, João Santos Luís, comentou nesta terça-feira, 03 de janeiro, a mensagem de Ano Novo do Presidente…
Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

Brasil: Lula assina primeiros decretos para o novo governo

No dia em que assumiu a presidência do Brasil pela terceira vez, Luiz Inácio Lula da Silva assinou vários decretos…
Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Moçambique: Arrancou a edição de 2023 do Recenseamento Militar

Arrancou ontem, 03 de janeiro, em Moçambique, o processo de Recenseamento Militar edição 2023, sob o lema: “Recenseamento Militar: Promovendo…
Angola: PR aprova dívida adicional até entrada em vigor do OGE 2023

Angola: PR aprova dívida adicional até entrada em vigor do OGE 2023

O Presidente da República de Angola, João Lourenço, aprovou uma dívida adicional de 2,6 biliões de kwanzas (4,8 mil milhões…