Afeganistão: Talibãs atacam membros do Estado Islâmico

Os talibãs decidiram retaliar os frequentes ataques do grupo jihadista Estado Islâmico (EI) no Afeganistão, ao atacarem nesta segunda-feira, 15 de novembro, alegados esconderijos do braço local do EI na província de Kandahar, no sul do território afegão. 

A informação foi avançada à “AFP” através de fontes policiais. Trata-se de uma operação que terá começado por volta da meia-noite em quatro distritos de Kandahar, segundo o chefe talibã da polícia provincial, Abdul Ghafar Mohammadi.

Quatro combatentes do Daesh (acrônimo do EI em árabe) foram mortos, e dez detidos, até agora (…) Um deles fez explodir-se em uma casa”, partilhou. 

Outro membro dos serviços de inteligência talibã, que preferiu manter o anonimato, contou que morreram, pelo menos, três civis durante o sucedido.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin