Assassinatos do Estado Islâmico no Afeganistão afeta legitimidade dos talibãs

Os talibãs prometeram trazer de volta a segurança ao Afeganistão depois de terem tomado o poder, a 15 de agosto. No entanto, essa promessa é colocada em causa com os crescentes ataques do Estado Islâmico (EI), que têm causado várias mortes. 

O sucedido tem decorrido através de assassinatos e atentados bombistas. Entre as vítimas encontram-se dirigentes políticos, jornalistas, ativistas, combatentes talibãs e mulás. 

“Tivemos vinte anos de revolução e invasão, e o nível destes incidentes vai baixar”, afirmou o porta-voz do Governo Talibã, Bilal Karimi, à “Reuters”. 

A estratégia dos talibãs parece passar por diminuir a onda de violência da sua parte, de maneira a não piorar a situação do país. Na semana passada, por exemplo, foram mostradas imagens de dois corpos pendurados, enforcados em Jalalabad, capital de Nagarhar. Sabe-se também que um dirigente talibã foi abatido no seu carro, com fogo de metralhadora. 

Entre outros assassinatos já registados, um decorreu à beira da estrada, onde uma bomba rebentou com uma carrinha de caixa-aberta que levava vários combatentes talibãs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin