FMI avisa sobre impacto mundial com colapso do Afeganistão

O Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou um novo alerta ao mundo. Segundo esta organização, os graves problemas económicos do Afeganistão podem “alimentar uma crise de refugiados com impacto nos países vizinhos, na Turquia e na Europa”

Prevê-se que o Afeganistão veja a sua economia contrair 30% este ano, o que levará milhões de pessoas à pobreza. A chegada do regime talibã ao poder a 15 de agosto não ajudou a situação. 

Entre os problemas que agravam a economia do país constam a escassez de dinheiro, dependência da ajuda, ativos estrangeiros congelados, moeda em desvalorização e inflação galopante. Tal leva a uma crise humanitária

Segundo o FMI, “um grande afluxo de refugiados poderia sobrecarregar os recursos públicos nos países de acolhimento, alimentar as pressões do mercado de trabalho, e conduzir a tensões sociais”

O Tajiquistão já avisou que não consegue acolher mais pessoas. De acordo com a organização internacional, para que este país conseguisse receber um milhão de refugiados, por exemplo, necessitaria de de cerca de 85 milhões de euros. Já o Irão e o Paquistão, também países vizinhos do Afeganistão, precisariam de 260 milhões de euros e de 430 milhões de euros, respetivamente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin