Ásia

Indonésia: Assassinato de dois jornalistas leva à prisão de industrial de óleo de palma

Um executivo indonésio de óleo de palma foi preso por supostamente ordenar a morte de dois jornalistas ativistas que estavam a mediar uma disputa de terras entre a sua empresa e os moradores locais.

O corpo de Maraden Sianipar foi encontrado na semana passada numa vala perto de uma plantação de palmeiras em Labuhan Batu, na província de Sumatra do Norte. A polícia encontrou os restos mortais do seu colega, Maratua Siregar, na mesma área um dia depois. Ambos foram esfaqueados várias vezes.

No sábado, as autoridades de Sumatra do Norte anunciaram a detenção do empresário Wibharry Padmoasmolo por supostamente ter planeado a morte, pagando cerca de 3.000 dólares a quatro homens para cometer os assassinatos.

Padmoasmolo possui uma empresa que produz óleo de palma, um óleo vegetal amplamente utilizado, desde sabão a chocolate. As duas vítimas defendiam os moradores locais que estavam em disputa com a empresa de Padmoasmolo, informou a polícia.

Os assassinatos visavam impedir o envolvimento do casal, segundo as autoridades, que acrescentaram que Padmoasmolo negou a posse da empresa em questão.

Sianipar e Maratua trabalharam juntos para um portal de notícias on-line local antes de se tornarem freelancers em 2017. Um amigo de Siregar disse que recentemente se tornaram conhecidos devido ao seu ativismo em disputas de terras – uma fonte comum de conflito na Indonésia, rica em recursos.

Muitos casos de violência contra jornalistas na Indonésia nunca chegaram a ser solucionados, de acordo com a Independent Journalists Alliance, que registou pelo menos duas dúzias de casos apenas este ano.

A Indonésia ocupa a 124ª posição entre os 180 países no índice mundial de liberdade de imprensa de 2019 publicado pela Reporters Without Borders.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo