Ásia

Indonésia: Grupo Jamaah Anshurat Daulah do ISIL suspeito do ataque a Wiranto

Enquanto o ministro da Segurança da Indonésia, Wiranto, continua a recuperar após uma cirurgia de emergência no principal hospital do exército em Jacarta, os investigadores estão a tentar determinar como dois membros suspeitos da ilegalizada Jamaah Ansharut Daulah (JAD) escaparam da segurança e realizaram o ataque.

Budi Gunawan, chefe da principal agência de inteligência da Indonésia, BIN, disse esta sexta-feira que os suspeitos – Syahril Alamsyah, também conhecido como Abu Rara, e sua esposa de 21 anos, Fitri Andriana, eram membros do JAD, um grupo armado indonésio vinculado ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL ou ISIS).

O mesmo grupo realizou uma série de atentados e ataques à igreja em Surabaya em 2018, nos quais pelo menos 23 pessoas foram mortas e um ataque em 2016 no distrito comercial de Jacarta.

Em julho de 2018, um tribunal indonésio ordenou que o JAD fosse dissolvido. O seu líder, Aman Abdurrahman, também foi condenado à morte por “planear” da sua cela o ataque de 2016 na capital indonésia.

No entanto o ataque a Wiranto na quinta-feira sugere que os membros da organização ainda querem provar que “têm o entusiasmo” para realizar ataques, mesmo que o ISIL tenha perdido território e muitos dos seus membros na Indonésia tenham sido presos, disse Sidney Jones, diretora do Instituto de Análise de Conflitos (IPAC), em declarações à Al Jazeera.

“Acho que isso envia uma mensagem”, disse a responsável. “Que ainda é possível para um casal não muito bem treinado decidir, talvez por conta própria, talvez sem a direção de mais ninguém, atacar um alto funcionário do governo indonésio”. “Podemos ver outras pessoas inspiradas a fazer ataques por conta própria”, advertiu.

Segundo a CNN Indonésia, Wiranto foi ferido no abdómen inferior esquerdo. O diretor do hospital, para onde foi inicialmente levado após o incidente, disse a repórteres que a pressão e o pulso do ministro eram “normais”, o que significa que “ele não sofria de hemorragia interno”.

No entanto, Wiranto foi imediatamente transportado de avião para o Hospital do Exército de Gatot Soebroto, em Jacarta, onde teria sido submetido a uma cirurgia de emergência.

Budi, o chefe da inteligência, contou a repórteres na quinta-feira que membros do JAD, incluindo os suspeitos no ataque de Wiranto, estavam na mira da polícia há pelo menos três meses.

O Jakarta Globe citou Budi dizendo que o principal suspeito, Syahril Alamsyah, tinha-se mudado do subúrbio de Bekasi, em Jacarta, para Bogor, no oeste de Java. Depois de se divorciar de sua primeira mulher, mudou-se novamente para a cidade de Pandeglang, onde ocorreu o ataque a Wiranto..

O suspeito teria recebido ajuda de outro membro do JAD, Abu Samsudin, quando se mudou para Pandeglang. Budi, no entanto, admitiu que era difícil saber o que cada membro do JAD estava a planear fazer, porque eles poderiam estar a operar de forma independente ou em pequenos grupos.

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo