Indonésia: Inundações repentinas deixam pelo menos 43 mortos e centenas de milhares de desalojados

Inundações repentinas mataram pelo menos 43 pessoas e deixaram centenas de milhares de desalojados em Jacarta, capital da Indonésia, informaram as autoridades nesta sexta-feira, após se ter verificado o período mais intenso de chuvas da cidade desde que os registos começaram, há mais de 20 anos.

Quase 400.000 pessoas foram deslocadas até sexta-feira, de acordo com a Agência Nacional de Gestão de Desastres, enquanto grupos de equipas de emergência tentavam limpar as ruas inundadas e reparar linhas de energia danificadas.

A grande maioria dos deslocados estava em Bekasi, o subúrbio de Jacarta mais atingido pelas enchentes, informou a agência de desastres.

Mais de 100 equipas de resgate da agência de socorro de emergência do país e várias unidades militares foram posicionadas na capital, disse na quinta-feira Budi Purnama, diretor de operações da Agência Nacional de Busca e Resgate.

Budi informou que as equipas de resgate estão a lutar nas ruas da cidade que foram transformadas em rios. “A descarga da água é muito rápida, a corrente é tão forte que até empurra veículos estacionados”, contou.

Cerca de 40% de Jacarta fica abaixo do nível do mar, e as autoridades tentam há anos aliviar as inundações. As chuvas comuns podem inundar os bairros, já que poços escavados ilegalmente e as mudanças climáticas fizeram com que a cidade afundasse mais rapidamente do que qualquer outra grande cidade do mundo.

Como resultado, as autoridades anunciaram em 2019 a transferência da capital para a província de Kalimantan Oriental, na ilha de Bornéu.

Segundo as autoridades o clima extremo, associado a atrasos nos projetos de alívio de inundações, foram responsáveis pelo caos da semana.

“A chuva que caía na véspera de Ano Novo nas partes oeste e norte de Java era muito extrema”, notou a agência de meteorologia em comunicado, referindo-se à Ilha Java, a mais populosa da Indonésia.

O presidente Joko Widodo apontou num tweet na quinta-feira que os atrasos nos projetos de infraestrutura de controlo de inundações desde 2017 são responsáveis e culpou as questões de “aquisição de terras”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Cabo Verde interessado em consolidar desenvolvimento sustentável com Portugal

Cabo Verde interessado em consolidar desenvolvimento sustentável com Portugal

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, partilhou publicamente a vontade de consolidar o processo de desenvolvimento sustentável em Cabo…
Angola considera "excelentes" as relações com Portugal

Angola considera "excelentes" as relações com Portugal

O Ministério das Relações Exteriores de Angola afirma, através de uma nota de imprensa oficial, que as relações comerciais com…
Banco de Moçambique cancela registo de 15 operadores de microcrédito

Banco de Moçambique cancela registo de 15 operadores de microcrédito

O Banco de Moçambique decidiu cancelar o registo de 15 operadores de microcrédito. Estes passam a estar assim proibidos de…
Cabo Verde e Suíça decidem facilitar vistos de curta duração

Cabo Verde e Suíça decidem facilitar vistos de curta duração

Cabo Verde e Suíça acordaram que vão facilitar a emissão de vistos de curta duração, divulgou o Ministério dos Negócios…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin