Ásia | Segurança

Indonésia: Polícia prende seis suspeitos de conspiração de assassinato durante protestos em Jacarta

A polícia indonésia prendeu seis suspeitos ligados a um plano para assassinar quatro funcionários do Estado e um proeminente pesquisador de opinião como parte de um plano mais amplo para semear a agitação, antes dos tumultos de Jacarta, na semana passada, que provocaram a morte de oito pessoas.

Cinco homens e uma mulher foram detidos sob suspeita de aceitar pagamentos para realizar assassinatos por contrato ou fornecimento de armas, segundo o porta-voz da polícia indonésia, Muhammad Iqbal.

“O líder do grupo recebeu 150 milhões de rupias [10.400 dólares], enquanto outro suspeito recebeu 25 milhões [1.730 dólares] de uma pessoa”, revelou Iqbal na segunda-feira, recusando-se a revelar os nomes dos alvos.

Iqbal informou que a polícia também conhece a identidade da pessoa que ordenou as tentativas de assassinato, que foram planeadas em março e abril.

Várias partes da capital indonésia foram fotografadas e mapeadas para os planos, acrescentou. “Mas Alá ainda ama este país, e foi-nos dada uma maneira de descobrir isso”, disse Iqbal.

O líder do plano, referido apenas pela polícia como HS, comprou quatro armas de fogo que distribuiu para três outros suspeitos, segundo Iqbal. HS e outros três são acusados de realizar as tentativas de assassinato, enquanto os dois suspeitos restantes supostamente forneceram as armas.

Todos foram acusados de acordo com uma lei de emergência de 1951 relativa à posse e entrega de armas de fogo ilegais e podem enfrentar prisão perpétua se forem condenados.

Na semana passada, Jacarta foi abalada por tumultos provocados por protestos em massa contra a reeleição do atual presidente, Joko Widodo, que venceu o adversário, Prabowo Subianto, após garantir 55,5% dos votos.

Prabowo apresentou uma contestação legal contra o resultado no Tribunal Constitucional da Indonésia, alegando fraude generalizada. No entanto, observadores independentes disseram que as eleições foram em geral livres e justas.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo