Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres

Covid-19: ONU alerta para que “teremos em África milhões e milhões de infetados”

O Secretário-Geral das Nações Unidas pediu ao Ocidente que se mobilize para a África, a fim de evitar o pior. Em entrevista à Rfi e à France 24, António Guterres reconhece que a pandemia de coronavírus está a propagar-se rapidamente na África.

O chefe das Nações Unidas alerta para que é “imperativo fazer de África uma prioridade para a comunidade internacional. Ou seja, um investimento maciço, do ponto de vista dos equipamentos”.

Precisamos de uma mobilização gigantesca, uma prioridade absoluta, porque ainda há tempo para evitar o pior“, declarou Guterres acrescentando que, sem essa atenção específica, “teremos na África, milhões e milhões de pessoas infetadas. E haverá necessariamente milhões de mortes“.

Numa situação como essa em que o vírus se transmite sem limite, os riscos de mutações são maiores e, se houver uma mutação, todo o investimento que estamos a fazer em vacinas, será perdido e a doença tornará a aparecer, de sul para o norte”, afirmou.

Nesse sentido, Guterres reitera que “é do interesse dos países do Norte fazer esse investimento maciço na África. Isso implica um esforço gigantesco do ponto de vista técnico e financeiro“, sustentou, acreditando que “os países africanos abrirão os seus aeroportos para que esse equipamento possa ser recebido rapidamente“.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

Guiné-Bissau: Falta de resultados no combate à corrupção justificou a demissão do PGR

A recente demissão de Fernando Gomes das funções de Procurador-Geral da República (PGR) apanhou o país de surpresa, mas justifica-se…
ONU avisa que "colapso" financeiro do Afeganistão está próximo

ONU avisa que "colapso" financeiro do Afeganistão está próximo

A Organização das Nações Unidas (ONU) alerta, através de um relatório, que o “colapso do sistema bancário” do Afeganistão pode acontecer em…
Revista de Imprensa Lusófona de 23 de novembro de 2021

Revista de Imprensa Lusófona de 23 de novembro de 2021

A “Agência Brasil” refere que o “Senado faz debate sobre PEC [Proposta de Emenda à Constituição] dos Precatórios”. Já “O Globo” tem…
Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

O governo federal lançará um plano nacional de fertilizantes emdezembro, em meio à escalada dos preços desses produtos em todo omundo. O objetivo do conjunto de diretrizes é reduzir a extremadependência do Brasil de fornecedores internacionais. Em alguns casos,a importação chega a 95% do que o país consome, o que deixa oagronegócio, principal peso na balança comercial brasileira, muitosuscetível a crises internacionais, como a de agora.A meta, segundo o Ministério da Agricultura, é reduzir aparticipação estrangeira de, em média, 85% para algo em torno de 60%nos próximos 30 anos. Não resolverá a crise atual, que vai impactar asafra 2022/2023, mas pode minimizar futuros choques globais entre ofertae demanda.Os fertilizantes são compostos minerais usados para melhorar anutrição das plantas. “O solo brasileiro é naturalmente pobre emnutrientes e ácido, principalmente no Cerrado“, explica José CarlosPolidoro, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de PesquisaAgropecuária) Solos.Os principais fertilizantes usados na agricultura são os do chamadogrupo NPK, em referência às letras que representam os elementos natabela periódica, em que N se refere aos nitrogenados (à base denitrogênio), P aos fosfatados (à base de fósforo), e K aos quecontêm potássio.Apesar de o lançamento coincidir com o agravamento da crise atual, elenão tem o objetivo de resolvê-la. “O plano não visava a uma açãoemergencial. É um plano estruturante, voltado para uma mudança depanorama em 30 anos, com ciclos. Começa com ações de curto até as delongo prazo“, disse Rangel.Carlos Vasconcelos – Correspondente
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin