Europa | Magrebe

Itália: Roma dá à Líbia 12 barcos para ‘combater o tráfico humano’ no mar

O governo italiano vai dar à Líbia 12 barcos para ajudar a ‘combater o tráfico de pessoas’ e conter o fluxo de migrantes para a Europa, anunciou Roma na noite de segunda-feira.

O anúncio acontece numa altura em que várias nações da União Europeia pressionam a Líbia para encarregar-se dos resgates de migrantes no Mediterrâneo, e o bloco debate a forma de lidar com o seu fluxo para o continente.

A medida, adotada durante uma reunião do gabinete, “visa fortalecer a capacidade operacional da guarda costeira da Líbia” para garantir a “gestão adequada” da situação dos migrantes no Mediterrâneo, refere um comunicado do governo.

A medida “prioriza a necessidade de combater o tráfico de pessoas, proteger a vida humana no mar e conter a pressão migratória”, acrescenta a nota.

O governo italiano também assumirá a responsabilidade pela manutenção dos 12 barcos até ao final do ano e oferecerá treino à guarda costeira da Líbia e autoridades navais. Segundo o ministério italiano dos transportes e das infra-estruturas, o custo total desta ajuda é de cerca de 2,5 milhões de euros.

“Estamos cientes de que isso não é suficiente e que devemos trabalhar para estabilizar a situação, fortalecer o estado de direito e a proteção da dignidade das pessoas no território do emergente Estado líbio”, disse o ministro dos Transportes, Danilo Toninelli, em comunicado.

Nas últimas semanas, os líderes da UE reprimiram as embarcações de resgate de imigrantes que operam no mar. Vários líderes da UE acusaram os navios das ONGs de indiretamente ajudar os traficantes de seres humanos, defendendo que deveriam deixar a Guarda Costeira da Líbia coordenar as missões de resgate e levar os migrantes de volta à Líbia.

Em resposta, as ONGs argumentam que os imigrantes não estariam seguros na Líbia, onde enfrentaram abusos e estupros nos centros de detenção.

Segundo dados da Organização Internacional para as Migrações, desde o início do ano mais de mil pessoas morreram no Mediterrâneo.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo