NATO considera anexação de territórios “a mais séria escalada” da guerra

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, afirmou nesta sexta-feira, 30 de setembro, que a anexação dos territórios ucranianos à Rússia representa “a mais séria escalada desde o início da guerra”

A NATO defende a soberania do território ucraniano, explicou, e, como tal, não reconhece os referendos que levaram à anexação russa dos territórios Donetsk, Lugansk, Kherson e Zaporizhzhia, tal como também não reconhece a anexação da Crimeia, ocorrida em 2014. 

“Estes territórios são Ucrânia: Donetsk é Ucrânia, Lugansk é Ucrânia, Kherson é Ucrânia, Zaporizhzhia é Ucrânia, tal como a Crimeia faz parte da Ucrânia”, declarou Stoltenberg. 

A Aliança Atlântica “continua determinada em dar apoio militar à Ucrânia para se defender da ofensiva russa”. Ainda assim, o secretário-geral lembrou que “a NATO não faz parte deste conflito, apesar de ter apoiado a Ucrânia na sua defesa”, mas está “determinada a defender cada centímetro dos territórios aliados”.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um crescimento considerável do crédito à economia em 2023 para Moçambique.  Se isso se…
Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

O Governo angolano assegurou nesta quinta-feira, 24 de novembro, que vai entregar a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE)…
Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Segundo a Ministra da Saúde de Cabo Verde, Filomena Gonçalves, desde o início de novembro houve um pequeno aumento dos…
Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

A Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) de Portugal já reconheceu as qualificações académicas de cerca de 100 cidadãos ucranianos desde…