Oito Rafale partem do porta-aviões Charles de Gaulle para operação contra o Estado Islâmico

Oito aviões de combate Rafale descolaram, na manhã desta sexta-feira, do porta-aviões francês Charles de Gaulle no Mediterrâneo Oriental, para operações contra o grupo Estado Islâmico (EI) e no quadro das ações para recuperar a cidade Mosul, um reduto dos jihadistas no Iraque, disse um oficial a bordo.

Nenhum detalhe foi dado sobre a natureza da sua missão. Estes dispositivos podem atacar ou fazer o reconhecimento.

Este é o terceiro envolvimento do Charles de Gaulle na coligação internacional anti-EI, liderada pelos Estados Unidos desde fevereiro de 2015.

O único porta-aviões francês, que incorpora 24 Rafales, dois aviões Hawkeye de alerta aéreo, um avião de patrulha marítima Atlantique 2 e quatro helicópteros, tinha largado de Toulon (sul de França) a 20 de setembro.

A participação do porta-aviões  Charles de Gaulle triplica a capacidade dos ataques aéreos franceses na região, onde 12 Rafale já estão estacionados na Jordânia e nos Emirados Árabes Unidos.

A missão do porta-aviões tem uma agenda “do final de setembro até final de outubro”, de acordo com uma recente audição no Parlamento do ministro da Defesa, Jean-Yves Le Drian. Esta é a sua última operação antes de uma paragem técnica de 18 meses a partir do início de 2017.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: PAICV critica "falhanço" na política de segurança do Governo

Cabo Verde: PAICV critica "falhanço" na política de segurança do Governo

O PAICV apontou o “falhanço” nas políticas de segurança do Governo cabo-verdiano esta quarta-feira, 11 de janeiro, no Parlamento.  “No…
Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

Timor-Leste: Estado gasta 53 mil euros por dia em veículos

O Ministério das Finanças de Timor-Leste divulgou dados que indicam que o Estado gastou mais de 57 mil dólares americanos…
Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

Brasil: Bolsonaro poderá vir a ser deportado dos EUA

No dia 30 de dezembro do ano passado, o então presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, deixou o país rumo ao…
Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Ato em Lisboa procurou defender a democracia no Brasil

Cerca de 38 organizações portuguesas e quase 300 pessoas assinaram um documento de apoio ao governo democraticamente eleito do Brasil…