América Latina | Europa

Reino Unido proíbe viagens da América Latina e Portugal devido a variante brasileira do coronavírus

A Grã-Bretanha anunciou na quinta-feira a proibição de chegadas de países latino-americanos e de Portugal por temor de uma variante do coronavírus descoberta no Brasil.

Nas últimas semanas, as autoridades britânicas já lutaram para conter a disseminação de uma variante diferente do coronavírus descoberta na Grã-Bretanha com maior grau de contágio.

Atualmente, pelo menos duas variantes do coronavírus circulam no Brasil e pelo menos uma já escapou das suas fronteiras, viajando para o Japão.

As autoridades japonesas encontraram uma dessas variantes em quatro pessoas que viajaram do Brasil no início desta semana. A variante contém uma mutação que foi associada a um contágio mais alto, semelhante à variante encontrada na Grã-Bretanha e outra na África do Sul.

Assim como a variante encontrada na África do Sul, a exportada do Brasil para o Japão também carrega uma mutação que pode enfraquecer a eficácia das vacinas. Essa mesma mutação também foi identificada na outra variante do coronavírus descoberta recentemente no Brasil.

Os especialistas advertiram, no entanto, que seria muito difícil para novas variantes do coronavírus escaparem totalmente das vacinas.

Proibição entra em vigor esta sexta-feira

A proibição britânica deve entrar em vigor esta sexta-feira, às 4 da manhã, disse o secretário de transportes Grant Shapps no Twitter. “As viagens de Portugal para o Reino Unido também serão suspensas devido às suas fortes ligações com o Brasil”, acrescentou Shapps, embora os motoristas de camiões que transportam bens essenciais de Portugal estejam isentos.

A Grã-Bretanha já proibiu voos da África do Sul e o Brasil proibiu voos da Grã-Bretanha no dia de Natal.

As autoridades britânicas foram criticadas por deputados da oposição por atrasar a proibição de viagens da América Latina, mas argumentaram que a implementação de tais medidas leva tempo e que os viajantes provenientes desses países tiveram que ficar em quarentena por 10 dias após a chegada.

Na semana passada, a Grã-Bretanha enfrentou alguns de seus dias mais mortais desde o início da pandemia, e as autoridades de saúde alertaram que o sistema de saúde do país estava à beira do colapso.

Desde o início da pandemia, em março do ano passado, a Grã-Bretanha registou quase 85.000 mortes, o maior número de mortos na Europa.

 

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo