Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia

“Nós estamos preocupados com as múltiplas detenções arbitrárias de manifestantes na Rússia que, na quinta-feira [24 de fevereiro], estavam a protestar”, afirmou nesta sexta-feira a porta-voz do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Ravina Shamdasani, numa conferência de imprensa em Genebra. 

“Nós sabemos que mais de 1.800 manifestantes foram detidos. Não ficou claro se algum deles já foi libertado”, explicou. 

Ainda de acordo com Shamdasani, “a detenção de pessoas que exercem o seu direito à liberdade de expressão ou de reunião pacífica constitui uma privação arbitrária de liberdade”

“Nós apelamos às autoridades que garantam a libertação imediata de todos os detidos arbitrariamente por exercerem esses direitos”, solicitou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Guiné-Bissau: Ministério Público arquiva o processo contra Domingos Simões Pereira

Guiné-Bissau: Ministério Público arquiva o processo contra Domingos Simões Pereira

No despacho tornado público esta sexta-feira 25 de Fevereiro, o magistrado do Ministério Público, Fernando Mendes, que havia aplicado medida…
Guiné-Bissau: DSP diz que se algo lhe acontecer a responsabilidade será de Sissoco e Biagué

Guiné-Bissau: DSP diz que se algo lhe acontecer a responsabilidade será de Sissoco e Biagué

O Ministério Público da Guiné-Bissau emitiu uma nota na qual interdita a saída do país do presidente do Partido Africano…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin