Ucrânia acusa Rússia de usar gás como arma geopolítica à medida que a crise energética aumenta

O executivo-chefe da estatal ucraniana de energia ,Naftogaz, acusou a russa Gazprom de usar gás natural como arma geopolítica, conclamando os EUA e a Alemanha a agirem contra Moscovo enquanto aguarda a aprovação regulatória para o polémico projeto de gasoduto.

Isso ocorre logo depois da Agência Internacional de Energia, o órgão fiscalizador mundial de energia, intervir para pedir à Rússia que envie mais gás à Europa para aliviar a crise cada vez maior de abastecimento da região.

A declaração da IEA na terça-feira foi vista como uma rara repreensão ao Kremlin e deu mais apoio à visão de que Moscovo desempenhou um papel na crise de energia da Europa – ao lado de fatores de mercado como preços de commodities extremamente altos e baixa produção eólica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin