UE sofre mais custos energéticos com sanções à Rússia

A Comissão Europeia assumiu nesta quarta-feira, 02 de março, que as sanções da União Europeia (UE) à Rússia vão ter “custos para economia” comunitária, entre os quais uma maior inflação e subida nos preços energéticos. 

“As sanções europeias […] terão também custos para a economia da UE, mas, nesta fase, estes custos são difíceis de calcular de forma fiável”, informou o vice-presidente executivo da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, citado pela “Lusa”. 

Entre as sanções aplicadas pela UE está o congelamento de ativos financeiros e a expulsão da Rússia do SWIFT, também conhecido como BIC (Bank Identifier Code), que identifica bancos e agências para transferências internacionais. 

As declarações foram feitas durante uma conferência de imprensa em Bruxelas. Segundo Dombrovskis, “à medida que sanções mais profundas começam a estar em vigor, será possível ver uma série de cenários, por exemplo, uma inflação mais elevada, nomeadamente pressão sobre os preços da energia e um impacto adverso nos mercados financeiros”

“O crescimento dos custos orçamentais diretos também vai continuar, mas vai certamente abrandar”, acrescentou. 

No entanto, o vice-presidente executivo da Comissão Europeia considera que “este é um preço que vale a pena pagar para defender a democracia e também as nações europeias para determinar o seu próprio destino”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

EUA querem Rússia fora do Conselho dos Direitos Humanos

EUA querem Rússia fora do Conselho dos Direitos Humanos

Os Estados Unidos da América (EUA) sugerem que a Rússia seja excluída do Conselho dos Direitos Humanos. A proposta foi…
Rússia diz que guerra na Ucrânia não afeta relações com Moçambique

Rússia diz que guerra na Ucrânia não afeta relações com Moçambique

O ministro conselheiro da Rússia em Moçambique, Dimitri Sorokin, garantiu que a guerra na Ucrânia não afeta as relações de…
Descendente de ucranianos, empresário brasileiro lamenta o conflito e diz já sentir impacto nos negócios

Descendente de ucranianos, empresário brasileiro lamenta o conflito e diz já sentir impacto nos negócios

Igor Mazepa Baran tem 57 anos de idade e vive na cidade de Curitiba, no Brasil. É brasileiro com descendência…
Representação Central Ucraniano-Brasileira critica neutralidade do governo do Brasil diante da invasão russa

Representação Central Ucraniano-Brasileira critica neutralidade do governo do Brasil diante da invasão russa

Em declarações à nossa reportagem, Vitorio Sorotiuk, presidente da Representação Central Ucraniano-Brasileira (RCUB), disse ter apelado “oficialmente ao presidente do…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin