África Subsaariana | Mundo

Guiné-Conacri: Vice-presidente da UFDG detido

O vice-presidente do principal partido da oposição da Guiné-Conacri, União das Forças Democráticas da Guiné (UFDG), foi preso na quarta-feira pelas autoridades guineenses, no âmbito de uma operação lançada na sequência dos distúrbios após as eleições presidenciais, informou a sua família.

A justiça invoca ameaças que membros da oposição teriam proferido e que seriam “suscetíveis de perturbar a ordem e a segurança pública”.

O presidente da UFDG, Cellou Dalein Diallo, adversário de Alpha Condé na eleição presidencial de 18 de outubro, denunciou no Facebook uma operação destinada a aprovar o “golpe eleitoral” ao qual o senhor Condé se comprometeu a “decapitar o seu partido com a prisão dos seus líderes “.

“Uma dúzia de camiões policiais invadiram a nossa propriedade e os agentes muito ameaçadores saíram com o meu marido, seu irmão e um de seus sobrinhos “, disse à AFP Mamouna Bah, esposa de Ibrahima Chérif Bah.

O líder da UFDG equipara a “prisão” de Cherif Bah, a uma “declaração de guerra” e promete “ações à altura da afronta”.

“Na sequência do comunicado do Procurador de 10 de novembro, Chérif Bah, Vice-Presidente da UFDG, foi sequestrado muito cedo de manhã e levado para um destino desconhecido. A UFDG considera a prisão arbitrária dos seus líderes como uma declaração de guerra e reserva-se o direito de reagir com ações iguais à afronta”, ameaçou Cellou Dalein Diallo.

Ibrahima Cherif Bah foi preso na quarta-feira, 11 de novembro, em sua casa. Ele faz parte do grupo de opositores “ativamente procurados”, segundo o procurador Sidy Souleymane Ndiaye que os acusa de ameaça à “segurança e ordem pública”. Da lista fazem parte Ousmane Gaoual Diallo, Mamadou Cellou Baldé, Chérif Bah, Abdoulaye Bah, Etienne Soropogui, Sékou Koundouno, que alegadamente fizeram ameaças que provavelmente perturbarão a ordem e a segurança pública. A maioria deles são membros da UFDG.

Antes da sua prisão, Cellou Dalein Diallo tinha denunciado as tendências do poder de querer “decapitar seu partido”.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo