Indonésia considera o acordo contra o desmatamento COP26 “injusto”

A Indonésia classificou o acordo para acabar com o desmatamento como “injusto”, o que pode levar o país do Sudeste Asiático a dar uma reviravolta na sua decisão de assinar o acordo. O acordo para acabar com o desmatamento até 2030 foi assinado por mais de 100 países na cúpula do clima COP26 no início desta semana e inclui mais de 19 bilhões de dólares em fundos públicos e privados para que isso aconteça.

O presidente da Indonésia, Joko Widodo , assinou o acordo, mas desde então, a Ministra do Meio Ambiente, Siti Nurbaya Baka, disse que assumir esse compromisso era “claramente inapropriado e injusto”, já que a nação não poderia “prometer o que não pode fazer”.

Ela escreveu num post no Facebook (traduzido do indonésio): “Alguns países avançados terminaram de construir desde os anos 1970. Isso significa que são mais de 70 anos para entrar em 2050, quando eles chamam de emissões líquidas zero. Então, como está a Indonésia? É verdade que já estamos no topo do desenvolvimento nacional? Forçar a Indonésia a zerar o desmatamento em 2030 é obviamente inapropriado e injusto porque cada estado tem seus próprios problemas-chave e está protegido pela lei básica para proteger seu povo.”

A ministra argumentou ainda que o desmatamento já havia sido usado por outras nações mais ricas para acelerar o seu crescimento económico e força política e a Indonésia ainda precisava cortar algumas florestas para construir novas estradas e muito mais. E acrescentou: “Em Kalimantan e Sumatra, muitas estradas estão bloqueadas porque têm que passar por áreas florestais, embora haja mais de 34.000 aldeias nas florestas e áreas circunvizinhas. Se o conceito não é desmatamento – e as pessoas, deveriam ficar isoladas? O país deve realmente estar presente entre o seu povo.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

Brasil: Alta do preço dos fertilizantes no agronegócio faz com que Brasil anuncie plano, para produção nacional do setor

O governo federal lançará um plano nacional de fertilizantes emdezembro, em meio à escalada dos preços desses produtos em todo omundo. O objetivo do conjunto de diretrizes é reduzir a extremadependência do Brasil de fornecedores internacionais. Em alguns casos,a importação chega a 95% do que o país consome, o que deixa oagronegócio, principal peso na balança comercial brasileira, muitosuscetível a crises internacionais, como a de agora.A meta, segundo o Ministério da Agricultura, é reduzir aparticipação estrangeira de, em média, 85% para algo em torno de 60%nos próximos 30 anos. Não resolverá a crise atual, que vai impactar asafra 2022/2023, mas pode minimizar futuros choques globais entre ofertae demanda.Os fertilizantes são compostos minerais usados para melhorar anutrição das plantas. “O solo brasileiro é naturalmente pobre emnutrientes e ácido, principalmente no Cerrado“, explica José CarlosPolidoro, pesquisador da Embrapa (Empresa Brasileira de PesquisaAgropecuária) Solos.Os principais fertilizantes usados na agricultura são os do chamadogrupo NPK, em referência às letras que representam os elementos natabela periódica, em que N se refere aos nitrogenados (à base denitrogênio), P aos fosfatados (à base de fósforo), e K aos quecontêm potássio.Apesar de o lançamento coincidir com o agravamento da crise atual, elenão tem o objetivo de resolvê-la. “O plano não visava a uma açãoemergencial. É um plano estruturante, voltado para uma mudança depanorama em 30 anos, com ciclos. Começa com ações de curto até as delongo prazo“, disse Rangel.Carlos Vasconcelos – Correspondente
São Tomé e Príncipe: Desmarcada greve na Saúde

São Tomé e Príncipe: Desmarcada greve na Saúde

Foi desmarcada a greve dos profissionais da Saúde que estava prevista para hoje, dia 22 de novembro. O acordo para…
Moçambique: Proposta de PES e OE para 2022 é de 450 mil milhões de meticais

Moçambique: Proposta de PES e OE para 2022 é de 450 mil milhões de meticais

O Governo de Moçambique estima para 2022 uma despesa total no valor de 450.576,8 mil milhões, que corresponde a 40,1% do Produto…
Campanha #PortugalContraAViolência - Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

Campanha #PortugalContraAViolência - Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres

Para assinalar o Dia Internacional pela Eliminação da Violência Contra as Mulheres, é hoje lançada a campanha #PortugalContraAViolência. A campanha…
Share on facebook
Share on google
Share on twitter
Share on linkedin