Dia Internacional da Tolerância Zero à mutilação genital feminina

Mais de 4 milhões de raparigas em risco de sofrerem mutilação genital em 2020

UNFPA, UNICEF, UN WOMEN e OMS juntas contra a mutilação genital feminina, apesar do progresso significativo na eliminação da mutilação genital feminina nos últimos 30 anos, 200 milhões de raparigas e mulheres vivas actualmente sofreram mutilação genital, e 4 milhões estão em risco este ano.

O alerta é dado pelas Directoras Executivas de três organizações das Nações Unidas – a United Nations Population Fund (UNFPA), a UNICEF e a UN Women – e pelo Director-Geral da OMS (Organização Mundial da Saúde), no Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina.

As 4 organizações juntam-se assim a todos os jovens, na luta pelos seus direitos, com o objectivo de acabar com estes actos de violência – que podem ter consequências físicas, psicológicas e sociais de longo-prazo – e que fazem parte integrante do compromisso da comunidade internacional para os objectivos de Desenvolvimento Sustentável até 2030.

O apoio à mutilação genital feminina tem vindo a diminuir. As raparigas adolescentes entre os 15 e os 19 anos, em países onde a mutilação genital feminina é predominante, são menos favoráveis ​​à continuação desta prática do que mulheres entre os 45 e os 49 anos. Em muitos países, as raparigas mais jovens têm menor risco de sofrerem mutilação genital do que, por exemplo, as suas mães ou avós. No entanto, o rápido crescimento da população jovem em países onde a mutilação genital feminina é predominante, pode levar a um aumento significativo no número de raparigas em risco, estimando-se que cerca de 68 milhões estarão em risco até 2030.

Os jovens de hoje em dia podem desempenhar um papel fundamental para acabar com esta prática, liderando movimentos que defendam a igualdade de género, o fim da violência contra mulheres e raparigas, e o fim deste tipo de práticas. Para isso, dizem os representantes das 4 organizações, é preciso deixar que estes jovens participem, como parceiros, na elaboração e implementação de planos de acção nacionais; construindo relações com organizações lideradas por jovens e redes que trabalham para acabar com a mutilação genital feminina; reconhecendo a mutilação genital como uma forma de violência contra mulheres e raparigas, e capacitando estes jovens a liderar campanhas comunitárias que desafiem normas sociais e mitos, e que tenham homens e rapazes como aliados.

As organizações das Nações Unidas referem, no entanto, que este não é um objectivo que os jovens possam alcançar sozinhos, e que não pode ser tratado de forma isolada sem ter em conta outras formas de violência contra mulheres e raparigas ou a desigualdade de género. Este objectivo também requer uma forte liderança e compromisso políticos.

No ano passado, no 25º aniversário da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento (ICPD) em Nairobi, governos, sociedade civil, organizações religiosas e empresas privadas voltaram a comprometer-se a acabar com a violência de género e com este tipo de práticas prejudiciais – como a mutilação genital feminina.

Em Março, assinalam-se os 25 anos da plataforma Beijing for Action, um compromisso global para promover os direitos das mulheres em 12 áreas críticas, incluindo a eliminação de práticas prejudiciais a raparigas e mulheres. Este ano, vamos anunciar a criação de uma nova Geração Igualdade para estimular mais investimento e mais resultados para a igualdade de género.

“Está na hora de investir e traduzir os compromissos políticos já assumidos em acções concretas. É tempo de fazer mais, melhor e mais rápido para acabar com estas práticas de uma vez por todas. Está na hora de mantermos a nossa promessa a todas as raparigas do mundo e acabar com a mutilação genital feminina até 2030.” – concluem as organizações das Nações Unidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: XII Congresso da Frelimo encerra um dia mais cedo

Moçambique: XII Congresso da Frelimo encerra um dia mais cedo

O XII Congresso da Frelimo começou na passada sexta-feira, 23 de setembro, e iria terminar na quarta-feira, dia 28. No…
Cabo Verde: Donativos internacionais desceram mais de 30%

Cabo Verde: Donativos internacionais desceram mais de 30%

O Ministério das Finanças de Cabo Verde registou uma queda de 30% nos donativos internacionais recebidos até julho, comparativamente ao…
Angola: Secretário do MPLA no Rangel vigiado pelo SINSE

Angola: Secretário do MPLA no Rangel vigiado pelo SINSE

O primeiro secretário distrital do Rangel do MPLA, Josué Gourgel, está a ser vigiado pelo Serviço de Inteligência e Segurança…
Cabo Verde: UCID alerta para "reformas sem planeamento" na Educação

Cabo Verde: UCID alerta para "reformas sem planeamento" na Educação

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) partilhou a sua preocupação em relação à forma como tem sido implementada a…