Aliados sunitas planeiam nova frente de batalha a partir do norte do Líbano para travar avanço dos xiitas na Síria

Conforme noticiado ontem (aqui), um navio de carga contendo milhares de armas, explosivos e munições foi intercetado pelas autoridades gregas no passado dia 28 de fevereiro.

De acordo com fontes gregas e turcas citadas pelo site ‘The Fifth Column, o navio, designado: ‘Kukui Boy’, tinha pavilhão do Togo e deixou o porto de Izmir na Turquia com destino ao norte do Líbano.

O navio foi intercetado pela autoridade portuária de Chania que, reportadamente, confirmou a existência de documentação que atestava a legalidade de pelo menos parte do carregamento de armas, restando, contudo, dúvidas sobre a sua legitimidade, bem como se a totalidade do carregamento estaria registado.

Este incidente é em tudo semelhante ao que ocorreu no ano passado, quando, em setembro, a guarda costeira grega intercetou a embarcação “Haddad 1”, com pavilhão boliviano, que transportava armamento não declarado da Turquia para a Líbia. Na altura, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco alegou que todas as armas eram destinadas às forças de segurança sudanesas e estariam documentadas, mas no carregamento constavam materiais de construção destinados à Líbia cuja documentação referia Misrata com destino final, cidade que é controlada pela milícia Libya Dawn, filiada no Estado Islâmico.

Além deste destino suspeito, no registo marítimo desta embarcação, segundo a base de dados de transparência marítima Equasis, constam duas empresas com o mesmo endereço postal e sem número de telefone. Uma das empresas, a ISM Hellenic, opera várias embarcações com pavilhões de uma variedade de países, tais como: Togo, Tanzânia e Bolívia, que estão proibidos de aportar em portos europeus.

Este envolvimento turco no envio de uma quantidade significativa de armamento de combate para o norte do Líbano não pode ser dissociado dos últimos desenvolvimentos, noticiados aqui, relacionados com o posicionamento do conjunto das monarquias sunitas do Golfo face a este país que alberga a milícia shiita Hezbollah e cujo governo é aliado do Irão.

Hoje mesmo, o Conselho de Cooperação do Golfo declarou o Hizbullah uma ‘organização terrorista’, o que acontece depois de todos os Estados-membro do Conselho terem emitido alertas aos seus cidadãos para abandonarem o Líbano por razões de segurança.

De acordo com estes desenvolvimentos, começa a tomar forma a existência de um plano concertado entre os aliados sunitas do Golfo e a Turquia com o objetivo de reverter os avanços do regime sírio, apoiado pelo Irão e pela Rússia, no conflito sírio. Este plano, que podemos designar como Plano B, uma vez que poderá servir por contornar as dificuldade de uma intervenção direta da Arábia Saudita e da Turquia em solo sírio, passará por destabilizar o Líbano a partir da região norte, maioritariamente sunita, tendo como objetivo abrir um novo flanco de conflito com o Hizbullah e o governo xiita de Beirute, o que,  além de arrastar o Líbano para o conflito regional, irá ter, certamente, consequências para o desenvolvimento do conflito na Síria

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Moçambique: Frelimo e Renamo pedem votos em Conguiana

Moçambique: Frelimo e Renamo pedem votos em Conguiana

A Frelimo e a Renamo apelaram aos votos no bairro Conguiana, localizado na cidade de Inhambane. Os apelos foram feitos…
Moçambique: Renamo denuncia tentativa de fraude eleitoral

Moçambique: Renamo denuncia tentativa de fraude eleitoral

A Renamo acusa novamente a Frelimo de designar cidadãos de distritos não autárquicos para as mesas de voto, no âmbito…
Angola recebe visita do secretário de Defesa dos EUA

Angola recebe visita do secretário de Defesa dos EUA

O secretário da Defesa dos Estados Unidos da América (EUA), Lloyd Austin, aterrou em Luanda na noite desta terça-feira, 26…
Moçambique: MDM promete melhorar saneamento na Matola

Moçambique: MDM promete melhorar saneamento na Matola

O cabeça-de-lista do Movimento Democrático de Moçambique (MDM) no município da Matola, Augusto Pelembe, partilhou que tem como prioridade melhorar…