Aliados sunitas planeiam nova frente de batalha a partir do norte do Líbano para travar avanço dos xiitas na Síria

Conforme noticiado ontem (aqui), um navio de carga contendo milhares de armas, explosivos e munições foi intercetado pelas autoridades gregas no passado dia 28 de fevereiro.

De acordo com fontes gregas e turcas citadas pelo site ‘The Fifth Column, o navio, designado: ‘Kukui Boy’, tinha pavilhão do Togo e deixou o porto de Izmir na Turquia com destino ao norte do Líbano.

O navio foi intercetado pela autoridade portuária de Chania que, reportadamente, confirmou a existência de documentação que atestava a legalidade de pelo menos parte do carregamento de armas, restando, contudo, dúvidas sobre a sua legitimidade, bem como se a totalidade do carregamento estaria registado.

Este incidente é em tudo semelhante ao que ocorreu no ano passado, quando, em setembro, a guarda costeira grega intercetou a embarcação “Haddad 1”, com pavilhão boliviano, que transportava armamento não declarado da Turquia para a Líbia. Na altura, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco alegou que todas as armas eram destinadas às forças de segurança sudanesas e estariam documentadas, mas no carregamento constavam materiais de construção destinados à Líbia cuja documentação referia Misrata com destino final, cidade que é controlada pela milícia Libya Dawn, filiada no Estado Islâmico.

Além deste destino suspeito, no registo marítimo desta embarcação, segundo a base de dados de transparência marítima Equasis, constam duas empresas com o mesmo endereço postal e sem número de telefone. Uma das empresas, a ISM Hellenic, opera várias embarcações com pavilhões de uma variedade de países, tais como: Togo, Tanzânia e Bolívia, que estão proibidos de aportar em portos europeus.

Este envolvimento turco no envio de uma quantidade significativa de armamento de combate para o norte do Líbano não pode ser dissociado dos últimos desenvolvimentos, noticiados aqui, relacionados com o posicionamento do conjunto das monarquias sunitas do Golfo face a este país que alberga a milícia shiita Hezbollah e cujo governo é aliado do Irão.

Hoje mesmo, o Conselho de Cooperação do Golfo declarou o Hizbullah uma ‘organização terrorista’, o que acontece depois de todos os Estados-membro do Conselho terem emitido alertas aos seus cidadãos para abandonarem o Líbano por razões de segurança.

De acordo com estes desenvolvimentos, começa a tomar forma a existência de um plano concertado entre os aliados sunitas do Golfo e a Turquia com o objetivo de reverter os avanços do regime sírio, apoiado pelo Irão e pela Rússia, no conflito sírio. Este plano, que podemos designar como Plano B, uma vez que poderá servir por contornar as dificuldade de uma intervenção direta da Arábia Saudita e da Turquia em solo sírio, passará por destabilizar o Líbano a partir da região norte, maioritariamente sunita, tendo como objetivo abrir um novo flanco de conflito com o Hizbullah e o governo xiita de Beirute, o que,  além de arrastar o Líbano para o conflito regional, irá ter, certamente, consequências para o desenvolvimento do conflito na Síria

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde: MpD congratula-se com distinção de país africano mais livre

Cabo Verde: MpD congratula-se com distinção de país africano mais livre

O Movimento para a Democracia (MpD) regozijou-se nesta segunda-feira, 30 de janeiro, pelo facto de Cabo Verde ter recebido a…
Moçambique: Nyusi dirige abertura oficial do ano letivo

Moçambique: Nyusi dirige abertura oficial do ano letivo

O chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, vai dirigir a abertura oficial do ano letivo nesta quarta-feira, 01 de fevereiro. …
Timor-Leste e ASEAN traçam linhas de adesão em Jacarta

Timor-Leste e ASEAN traçam linhas de adesão em Jacarta

O Governo timorense informou nesta terça-feira, 31 de janeiro, que Timor-Leste e os países-membros da Associação de Nações do Sudeste…
Angola: BD elege novo vice-presidente

Angola: BD elege novo vice-presidente

O Conselho Nacional do Bloco Democrático (BD) elegeu Nelson Guerra Pestana para vice-presidente do partido. Justino Pinto de Andrade deixa…