Coligação liderada pela Arábia Saudita usou bombas de fragmentação no Iémen

A Amnistia Internacional (AI) acusou na quinta-feira a coligação liderada pela Arábia Saudita de ter usado armas proibidas em áreas residenciais na luta contra os rebeldes no Iémen.

As munições, fabricadas no Brasil, foram disparadas a 15 de fevereiro contra três distritos residenciais e terras agrícolas na província de Saada, no norte do Iémen, um reduto dos rebeldes xiitas Huthi, afirmou a organização em comunicado.

Duas pessoas ficaram feridas no ataque, disse a Amnistia, que também informou que a coligação usou munições de fragmentação em outubro de 2015 e maio do ano passado.

A coligação alega que o uso de munições de fragmentação “está de acordo com o direito internacional, apesar das evidências concretas do custo humano para os civis apanhados pelo conflito”, disse Lynn Maalouf, diretora da pesquisa da AI em Beirute. “As munições de fragmentação são inerentemente armas indiscriminadas que infligem dano inimaginável em vidas civis”, apontou.

A Amnistia exigiu o Brasil para “aderir à Convenção sobre Munições de fragmentação e à Arábia Saudita e aos membros da coligação para parar  o uso das munições”.

Em dezembro, a Human Rights Watch acusou a coligação de disparar rockets fabricados no Brasil contendo munições ilegais, perto de duas escolas em Saada, matando dois civis e ferindo seis, incluindo uma criança.

As armas de fragmentação podem conter dezenas de pequenas bombas que se dispersam em grandes áreas, muitas vezes continuando a matar e mutilar civis muito depois de serem atiradas.

A coligação liderada pelos sauditas, que foi alvo de repetidas críticas sobre as vítimas civis no Iémen, reconheceu em dezembro que fez uso “limitado” de bombas de fragmentação britânicas, mas disse que deixou de usá-las.

O conflito no Iémen deixou mais de 7.400 mortos e 40 mil feridos desde que a coligação interveio em apoio do governo em março de 2015, segundo a ONU.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

Timor-Leste: Representante da CPLP apela à participação nas presidenciais

O chefe da missão de observação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) às eleições presidenciais em Timor-Leste, o…
Dia Mundial do Teatro celebrado no Rossio e online

Dia Mundial do Teatro celebrado no Rossio e online

Este ano, o Teatro Nacional D. Maria II celebra o Dia Mundial do Teatro no Rossio, mas também noutras zonas…
Líderes dos EUA e da China conversam sobre guerra

Líderes dos EUA e da China conversam sobre guerra

Os Presidentes dos Estados Unidos da América (EUA), Joe Biden, e da China, Xi Jinping, iniciaram uma conversa telefónica nesta…
Moçambique: Polícia anúncia morte                    de 10 terroristas na Ilha Matemo, em Cabo Delgado

Moçambique: Polícia anúncia morte  de 10 terroristas na Ilha Matemo, em Cabo Delgado

A Polícia da República de Moçambique, em Cabo Delgado, anunciou na passada quinta-feira, em Pemba, a morte de 10 supostos terroristas, que desde a madrugada de quarta-feira invadiram a ilha Matemo, no arquipélago das Quirimbas.O Porta-voz da PRM em Cabo Delgado, Ernesto Madungue, disse que, as Forças de Defesa e Segurança, ainda trabalham para tirar de acção, outros elementos terroristas, que alegadamente estão misturados com a população.O Porta-voz da corporação em Pemba, não esclareceu, como as FDS estão a trabalhar, para não pôr em causa ou mesmo confundir os…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin