Polícia israelita investiga primeiro-ministro Benjamin Netanyahu

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, foi interrogado pela polícia por mais de três horas na sua residência oficial, abrindo o que poderia ser uma investigação criminal politicamente prejudicial, baseada em suspeitas de que teria aceite de forma ilícita “presentes” de apoiantes afortunados.

Netanyahu negou repetidamente o delito, mas os investigadores indicaram que os indícios são suficientemente graves para merecer uma investigação. A polícia referiu que Netanyahu foi questionado “sob caução”, um termo sinalizando que qualquer coisa que dissesse poderia ser usada como evidência contra ele.

Segundo o ministro da Justiça de Israel o primeiro-ministro foi questionado sobre a suspeita de ter obtido “benefícios de empresários”. O ministério avançou que as investigações também incidem sobre irregularidades no financiamento da sua campanha mas diz não haver provas suficientes para avançar com as acusações criminais.

O canal 2 da televisão israelita avança que Netanyahu aceitou “favores” de empresários em Israel e no exterior e que é o suspeito principal numa segunda investigação que também envolve membros da família. Segundo o jornal Haaretz  o bilionário Ronald Lauder, um amigo de longa data de Netanyahu, estava ligado ao caso. De acordo com o Canal 10, o filho mais velho de Netanyahu, Yair, terá beneficiado de viagens gratuitas e outros presentes do bilionário australiano James Packer.

Apesar das suspeitas em torno do primeiro-ministro este nunca foi acusado oficialmente. Contudo, as investigações podem colocar Netanyahu sob pressão, como aconteceu com o seu antecessor, Ehud Olmert, que se encontra a cumprir pena de prisão.

Uma campanha contra o primeiro-ministro israelita é levada a cabo por Erel Margalit, membro da oposição do partido União Sionista, que pretende que Netanyahu seja formalmente investigado por suspeitas de que doadores proeminentes tenham transferido indevidamente dinheiro para o uso pessoal do primei-ministro, bem como relatórios que envolvem o advogado pessoal de Netanyahu que terá representado uma empresa alemã envolvida numa venda de submarinos a Israel no valor 1,5 mil milhões dolares.

Os Netanyahu negaram qualquer irregularidade e dizem que são alvo de uma caça às bruxas dos orgãos de comunicação israelitas.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Cabo Verde corrige alteração ao Código Penal

Cabo Verde corrige alteração ao Código Penal

O Presidente cabo-verdiano, José Maria Neves, promulgou, após o veto inicial, uma alteração ao Código Penal proposta pelo Governo. O…
ONU estima que PIB de Moçambique cresça 5%

ONU estima que PIB de Moçambique cresça 5%

A Organização das Nações Unidas (ONU) estima que o Produto Interno Bruto (PIB) de Moçambique cresça 5% este ano. A…
Paulo Pisco volta a ser presidente da subcomissão das diásporas

Paulo Pisco volta a ser presidente da subcomissão das diásporas

O deputado Paulo Pisco, eleito pelo círculo da Europa para atuar na Assembleia da República de Portugal, foi reeleito, por…
Guiné Equatorial mantém 51.º lugar do IIAG

Guiné Equatorial mantém 51.º lugar do IIAG

A Guiné Equatorial manteve o 51.º lugar no Índice Ibrahim de Governação Africana (IIAG) 2022, de acordo com um relatório…