Primeiro ministro paquistanês afastado do cargo por suspeitas de corrupção

O primeiro-ministro do paquistanês, Nawaz Sharif , foi afastado do cargo pelo Tribunal Supremo do Paquistão por suspeitas de envolvimento em empresas sediadas em paraísos fiscais e que foram denunciadas pelos documentos publicados na investigação Panamá Papers.

A decisão foi tomada por unanimidade e ordenado que o processo fosse enviado para o organismo judicial responsável pela luta contra a corrupção.

A sentença foi conhecida esta sexta-feira, mas o caso remonta à altura em que o nome do primeiro-ministro surgiu nos documentos revelados pela organização internacional de jornalistas (Panama Papers) e que indicava que Sharif e familiares detêm empresas em paraísos fiscais.

“Deixou de ter condições para ser considerado um membro honesto do parlamento, e deixa de ocupar o cargo de primeiro-ministro”, anunciou o juiz da Tribunal Supremo, Ejaz Afzal, de acordo com a agência de notícias da Reuters.

O governo paquistanês será forçado a escolher um primeiro-ministro interino, enquanto a nação se prepara para as próximas eleições.

Nawaz Sharif sempre negou todas as acusações.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Timor-Leste: Três partidos unem-se na Aliança Democrata

Timor-Leste: Três partidos unem-se na Aliança Democrata

São três os partidos timorenses, um dos quais ainda não se encontra registado, que tencionam apresentar-se nas eleições legislativas, previstas…
Guiné-Bissau: UNTG-CS diz supressão do feriado de 3 de Agosto não tem efeito jurídico

Guiné-Bissau: UNTG-CS diz supressão do feriado de 3 de Agosto não tem efeito jurídico

O Secretário-geral da União Nacional dos Trabalhadores da Guiné – Central Sindical da Guiné-Bissau (UNTG-CS), Júlio António Mendonça, disse esta…
Brasil: autoridades apuram desvios de recursos da saúde em Pernambuco

Brasil: autoridades apuram desvios de recursos da saúde em Pernambuco

A Controladoria-Geral da União (CGU) do Brasil participou na Operação Clã, nos últimos dias, cujo objetivo é apurar possíveis irregularidades…
Angola: Mais de 50% das empresas fogem ao fisco

Angola: Mais de 50% das empresas fogem ao fisco

Dos 200 mil contribuintes empresariais controlados pela base cadastral da Administração Geral Tributária (AGT) em Angola, mais de 50% fogem…