A imagem é liberada livre de copyrights sob Creative Commons CC0. Você pode baixar, modificar, distribuir e usá-los royalty free para qualquer coisa que você gosta, mesmo em aplicações comerciais. A atribuição não é obrigatória.

OMS espera ter centenas de milhões de doses de vacina para o COVID-19 antes de 2021

A Organização Mundial da Saúde (OMS) avançou na quinta-feira que algumas centenas de milhões de doses da vacina contra o COVID-19 podem ser produzidas até ao final do ano e ser destinadas às pessoas mais vulneráveis ao vírus. A agência de saúde da ONU estima que até a final de 2021 estejam disponíveis dois mil milhões de doses.

A cientista da OMS, Soumya Swaminathan, disse que os investigadores estão a trabalhar em mais de 200 candidatos a vacinas em todo o mundo, incluindo 10 em fase de testes em humanos.

“Se tivermos muita sorte, haverá um ou dois candidatos bem-sucedidos antes do final deste ano”, disse numa conferência de imprensa virtual.

Swaminathan identificou três grupos com prioridade para a primeira onda de doses da vacina – trabalhadores da linha de frente com alta exposição, como médicos e policias; os mais vulneráveis à doença, como idosos e diabéticos; e pessoas em ambientes de alta transmissão, como bairros urbanas e lares de idosos.

É preciso começar com os mais vulneráveis e depois vacinar progressivamente mais pessoas“, disse Swaminathan. “Estamos a trabalhar no pressuposto de que poderemos ter algumas centenas de milhões de doses no final deste ano, de maneira muito otimista“, indicou.

Executivos de empresas farmacêuticas informaram no final do mês passado que uma ou várias vacinas contra o COVID-19 poderiam começar a ser distribuídas antes de 2021, mas alertaram que seria necessário um total estimado de 15 mil milhões de doses para eliminar o vírus.

Swaminathan referiu que os cientistas estão a analisar 40.000 sequências do novo coronavírus e, embora todos os vírus sofram mutação, este está a alterar muito menos do que o da gripe e ainda não tinha sofrido mutação nas principais áreas que alterariam a gravidade da doença ou a resposta imune.

Na quarta-feira, a OMS decidiu suspender os seus testes com hidroxicloroquina como tratamento para pacientes com COVID-19 hospitalizados, após evidências de que não teve efeito na redução da taxa de mortalidade.

Um medicamento utilizado há décadas contra a malária e a artrite reumatóide, a hidroxicloroquina tem estado no centro de controvérsias políticas e científicas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Putin aconselha países vizinhos a não agravarem situação de guerra

Putin aconselha países vizinhos a não agravarem situação de guerra

O Presidente russo recomenda aos países vizinhos da Rússia que “não agravem a situação, não imponham limitações”. Vladimir Putin diz…
Liga dos Bombeiros Portugueses envia ambulâncias para a Ucrânia

Liga dos Bombeiros Portugueses envia ambulâncias para a Ucrânia

A Liga dos Bombeiros Portugueses anunciou nesta sexta-feira, 04 de março, que vai enviar na segunda-feira para a Ucrânia oito…
Primeiro-ministro português efectua visita de 48 horas à Guiné-Bissau

Primeiro-ministro português efectua visita de 48 horas à Guiné-Bissau

A Guiné-Bissau recebe este sábado 05 Março a visita primeiro-ministro português, António Costa, que permanecerá no país 48 horas. Segundo…
Angola: Isabel dos Santos acusada de ataques informáticos contra imprensa portuguesa

Angola: Isabel dos Santos acusada de ataques informáticos contra imprensa portuguesa

A empresária angolana Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente da República José Eduardo dos Santos, está a ser acusada em…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin