Mundo

ONU: Países devem declarar ’emergência climática’

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, pediu aos governos no sábado que declarem um “estado de emergência climática” e cumpram as suas promessas de reduzir a poluição por carbono durante a recuperação da pandemia, informou a AFP.

Falando na abertura da cimeira da Ambição Climática, realizada online para marcar cinco anos desde o acordo climático de Paris, Guterres alertou que os compromissos atuais das nações estão “longe do suficiente” para limitar o aumento de temperatura a 1,5 graus Celsius.

“Se não mudarmos o curso, podemos nos encaminhar para um aumento catastrófico de temperatura de mais de 3,0 graus neste século”, disse Guterres

“É por isso que hoje exorto todos os líderes mundiais a declarar um estado de emergência climática em seus países até que a neutralidade de carbono seja alcançada”, acrescentou.

Espera-se que mais de 75 chefes de estado anunciem novas metas de corte de emissões ou sinalizem grande intenção de ajudar as nações mais vulneráveis ​​a lidar com desastres climáticos cada vez mais frequentes.

O acordo de Paris instou as nações a limitar o aquecimento a “bem abaixo” de 2C (3,6 Farenheit) por meio de cortes radicais nas emissões de gases de efeito estufa.

Progresso na aplicação das medidas estagnado

Mas o progresso estagnou mesmo perante a crescente revolta pública sobre o estado do planeta e uma série de relatórios científicos alertando sobre os perigos da inação.

A ONU diz que as emissões devem cair 7,6% ao ano até 2030 para manter o limite de temperatura de 1,5 °C em ação.

Em 2020, quando a pandemia trouxe bloqueios e restrições ao movimento, as emissões caíram um recorde de 7%, disse a ONU esta semana.

Mesmo assim, Guterres apontou que os governos estão a perder a oportunidade de tornar mais verdes as suas recuperações económicas.

Segundo o secretário-geral, os países do G20 – responsáveis ​​pela maior parte da poluição por carbono – estão a gastar 50% a mais nos seus pacotes de resgate em setores ligados a combustíveis fósseis do que na energia de baixo carbono.

“Isso é inaceitável. Não podemos usar esses recursos para garantir políticas que sobrecarregam as gerações futuras com uma montanha de dívidas num planeta destruído”, defendeu.

Guterres pediu aos países que já tinham anunciado metas líquidas de zero que cumpram as suas promessas e acelerem os cortes de emissões de acordo com a ciência.

“Todos os países, cidades, instituições financeiras e empresas precisam adotar planos para atingir as emissões líquidas zero até 2050 – e começar a executá-los agora, inclusive fornecendo metas claras de curto prazo”, acrescentou.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo