Sahel | Segurança

Líder da Al-Qaeda no Magrebe desmente morte de Amadou Koufa

Amadou Koufa

Após o anúncio da morte do líder do movimento jihadista Katiba de Macina, Amadou Koufa, na noite de 22 a 23 de novembro durante uma operação conjunta dos serviços de informações malianos e tropas francesas da operação Barkhane, foi difundido um comunicado da Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (AQMI) em que nega a morte do jihadista.

Num comunicado de 11 de dezembro, difundido pela agência mauritana “Alakhbar”, Abdelmalek Droukdel, também conhecido como Abou Moussab Abdel Wadud, um dos dirigentes da AQMI, desmente a morte de Amadou Koufa. “Vários órgãos de comunicação internacionais anunciaram que o cheikh Muhammad Koufa (Amadou Koufa) tinha sido morto juntamente com outros 34 numa operação aerotransportada. No entanto, o cheikh não estava no local da operação e não foi morto nem ferido”, refere o comunicado.

No mesmo comunicado Abdelmalek Droukdel afirma que “o número de irmãos mártires (mortos) não é aquele que refere a mentira do ministério (francês), mas de 16 mudjahidines (combatentes jihadistas)”.

Duas semanas antes do anúncio da presumível morte de Amadou Koufa o líder da Katiba de Macina aparecera num vídeo, juntamente com Iyad Ag-Ghali, chefe do Grupo de Apoio ao Islão e aos Muçulmanos, assim como com Djamel Okacha, conhecido como Yahia Aboul Hammam, um dos líderes da AQMI.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo