Portugal paga ao FMI total da dívida do resgate financeiro de 2011

Antes do final do ano, Portugal terá finalizado o pagamento da dívida ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Serão 4.700 milhões de euros, de um total de 26.300 milhões concedidos em 2011 pela agência para salvar o país da falência. O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro, António Costa, na última sessão de debate dos orçamentos para 2019, aprovado com os votos do partido socialista, do comunista e do Bloco de Esquerda e do deputado do PAN.

O reembolso total do empréstimo ocorre com anos de antecedência e graças a uma bonança económica, que se traduz em crescimento acima da média da UE (2,2% este ano) e desemprego de 6,6% em setembro, a menor taxa em 16 anos.

O pagamento ao FMI de 4.700 milhões de euros encerra um empréstimo de 26.300 milhões de euros que, em 2011, foram concedidos a uma taxa de juros de 5,8%. Graças à evolução da economia nacional e internacional, o Estado tem vindo a emitir dívidas com taxas de juros muito mais baixas, com as quais vem adiantando reembolsos. A emissão de dívida deste ano teve uma taxa de juros média de 1,9%.

A partir de agora, como anunciou o porta-voz do FMI, que está em Lisboa para o acompanhamento trimestral do plano de resgate, o relacionamento com a agência será o mesmo de qualquer país associado.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

Guiné-Bissau: Governo extingue feriados nacionais e é acusado de violar a lei e a história

O Governo guineense através do Decreto nº 1/2023 de 19 de Janeiro determinou que 23 de Janeiro, outrora dia dos…
Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

Moçambique: MONARUMO defende isenção do IVA para água e energia

O Movimento Nacional para Recuperação da Unidade Moçambicana (MONARUMO) comentou a recente diminuição do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA),…
Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

Angola garante usar 77% de energia renovável até 2027

O chefe de Estado angolano, João Lourenço, assumiu o compromisso de o país usar 77% de energia renovável até 2027. …
Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

Cabo Verde: Turismo e privatizações financiam fundo contra pobreza extrema

O turismo e privatizações em Cabo Verde decidiram financiar o fundo MAIS, definido pelo Governo e criado com o objetivo…