Festas do Povo de Campo Maior elevadas a Património Cultural Imaterial da Humanidade

A Ministra da Cultura, Graça Fonseca, congratula-se com a inscrição das Festas do Povo de Campo Maior como Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO.

Todos os portugueses, em particular os alentejanos, estão, uma vez mais, de parabéns por saberem manter viva uma das mais ricas tradições culturais portuguesas, justamente designadas Festas do Povo de Campo Maior.

Esta prestigiada distinção só foi possível devido à iniciativa da Associação das Festas do Povo de Campo Maior, que desenvolveu a sua candidatura em conjunto com o Município de Campo Maior e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo, que contaram com o apoio da Direção Regional de Cultura do Alentejo.

Estas Festas, enquanto manifestação popular de uma comunidade viva, têm um contributo muito especial das mulheres de Campo Maior, que, todos os anos, trabalham de modo continuado nas suas flores em papel, passando esse testemunho às gerações mais novas e permitindo manter viva uma tradição em que todos os portugueses se reconhecem. As Festas, que “acontecem quando o povo quer”, não decoram apenas o centro histórico de Campo Maior com milhões de coloridas flores de papel, mas abrem a vila a todos os portugueses.

Assim, esta classificação, que muito honra todo o país, distingue culturalmente a região do Alentejo e projeta a cultura portuguesa, contribuindo de modo significativo para valorizar e salvaguardar este património que nos é comum.

As Festas do Povo de Campo Maior já estão inscritas no Inventário do Património Cultural Imaterial desde 2018 e, em 2019, o comité de peritos já tinha destacado a candidatura portuguesa como um exemplo de como uma pequena comunidade assumiu a responsabilidade pelo seu património cultural imaterial, numa abordagem que destaca os reflexos das mudanças sociais e económicas nas manifestações culturais atuais.

As Festas integram agora esta importante lista da UNESCO, da qual já fazem parte o Fado, o Cante Alentejano, a Louça de Bisalhães, os Chocalhos de Alcáçovas, os Bonecos de Estremoz e os Caretos de Podence.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin