Instituições de ensino superior mobilizam-se para atenuar os efeitos da Covid-19

As instituições de ensino superior (IES) estão fortemente mobilizadas a nível institucional com o objetivo de atenuar os efeitos da Covid-19 e apoiar os estudantes no contexto da atual crise sanitária. As conclusões constam do segundo relatório da «Task Force das Ciências Comportamentais» criada pelo Ministério da Saúde e baseado no «Inquérito IES II – Acompanhamento de Estudantes COVID-19» aplicado entre 27 de novembro e 6 de dezembro deste ano.
A análise mostra que as IES planearam e implementaram medidas e programas para mitigar os efeitos da COVID-19 sobre os estudantes, incluindo: 

– grande parte das IES acionou ou criou gabinetes de apoio psicológico, implementou serviços/ programas para a promoção do bem-estar psicológico, ou reforçou as consultas de psicologia;

– para evitar situações de abandono escolar, num «esforço concertado» foram implementadas medidas como a flexibilização do pagamento de propinas, emolumentos, adaptação de regulamentos de acesso a exames ou adiamento de prazos e desenvolvidos programas de tutoria e supervisão por parte de docentes e coordenadores de curso;

– foram criados atividades ou programas de acolhimento e tutoria/mentoria por parte de estudantes de referência, professores e coordenadores de curso visando facilitar a integração e diagnóstico do nível de aprendizagens dos estudantes de 1º ano;

– para incentivar a continuidade de estudos pós-graduados foram mantidos a colaboração e os protocolos com empresas e instituições e concedida uma flexibilização e descontos nas propinas;

– uma das medidas amplamente implementada foi a disponibilização de hardware, software e internet, em particular aos estudantes em situação de vulnerabilidade económica;

– as IES promoveram ações de solidariedade social, divulgando oportunidades ou envolvendo-se em iniciativas da comunidade;

– foram realizados webinars e disponibilizados espaços de treino ou atividades desportivas de forma a promover comportamentos saudáveis;

– os estudantes participam ativamente na identificação das suas necessidades e propõem estratégias de ação através de inquéritos. 

A task force recomenda que as ações desenvolvidas pelas universidades e politécnicos devem ser mantidas e apoiadas no sentido de mitigar dificuldades em termos sociais, pedagógicos e de saúde, resultado da pandemia, e reconhece o papel das IES, públicas e privadas, na promoção, para além do conhecimento e aprendizagem, de uma melhor saúde e bem-estar.  

A pandemia de Covid-19 criou a necessidade de reforçar a atenção dedicada à comunidade académica no sentido de mitigar e compensar eventuais efeitos da crise nos estudantes de ensino superior, especialmente nas situações em que existem dificuldades de ordem social, pedagógica e de saúde pré-existentes.

A task force foi constituída pelo Despacho n.º 3027/2021, de 19 de março, com o objetivo de recolher informação para apoiar a formulação de políticas públicas e de estratégias que visem uma mudança de comportamentos individuais e coletivos para fazer face à atual e a futuras pandemias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

Presidente da Rússia pede a Exército ucraniano para tomar o poder

O Presidente russo, Vladimir Putin, apelou ao Exército ucraniano para que retirasse o apoio ao Governo ucraniano, o que significa…
Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

Ucrânia confirma ataques da Rússia a creches e orfanatos

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, confirmou os relatos de ataques e bombardeamentos a creches e orfanatos…
Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

Rússia prende mais de 1.800 manifestantes que são contra a guerra

As autoridades russas detiveram mais de 1.800 manifestantes que se opuseram à invasão à Ucrânia.  “Nós estamos preocupados com as…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin