População portuguesa com mais formação superior, nas últimas duas décadas

O Secretário de Estado do Ensino Superior, Pedro Nuno Teixeira, afirmou que o ensino superior reflete uma “evolução muito positiva nos últimos 20 anos” e deu como exemplo o número de inscritos em universidades e politécnicos no ano letivo passado – 433 217 estudantes inscritos – o valor mais elevado de sempre. 

As declarações do Secretário de Estado do Ensino Superior foram feitas durante a apresentação do relatório Education at a Glance 2022, na passada, pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

O estudo, que traça o retrato atual da Educação nos 38 países membros, entre os quais Portugal, e em países parceiros da organização, aponta que, nas últimas duas décadas, Portugal fez uma trajetória muito positiva em termos de aquisição de qualificações superiores por parte da população que se situa na faixa etária entre os 25-34 anos. Em 2000, 17% da população nessa faixa etária tinha qualificações superiores, e em 2021 este valor atingia os 47%. Um crescimento que coloca o País acima da média da OCDE, sendo Portugal um dos países da OCDE onde este aumento foi mais expressivo.

Durante a sessão, o Secretário de Estado evidenciou outros indicadores positivos realçados pelo estudo, como o impacto positivo de uma formação superior no mercado de trabalho ao nível do emprego e salarial, sendo esse aspeto ainda mais relevante face à grande expansão do número de diplomados.

Pedro Nuno Teixeira adiantou  que Portugal participará no Eurograduate e que este “será o primeiro grande mapeamento da situação dos diplomados à escala nacional e europeia” e acrescentou que está a ser feito um “diálogo com a União Europeia para desenvolver um sistema de antecipação de necessidades do mercado de trabalho a cinco e a 10 anos, que é uma ferramenta relevante e que precisamos de ter elementos de referência nesse âmbito”.

O Secretário de Estado referiu também a preocupação com as taxas de conclusão das licenciaturas: em Portugal, cerca de 38% dos estudantes inscritos em licenciaturas concluem essas formações dentro dos prazos estabelecidos para a duração dos programas de estudos. Para inverter a tendência, Pedro Nuno Teixeira anunciou o lançamento de um programa de prevenção do insucesso e abandono no ensino superior, especialmente focado nos estudantes de 1º ano.

Salientou a necessidade do sistema de ensino superior prosseguir e reforçar o esforço de diversificação da oferta formativa e, sobretudo, de atração de novos públicos, nomeadamente de população mais velha e de trabalhadores-estudantes, aspetos em que o País compara menos favoravelmente com outros países europeus.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

Moçambique: FMI prevê elevado crescimento do crédito à economia

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima um crescimento considerável do crédito à economia em 2023 para Moçambique.  Se isso se…
Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

Angola: Governo entrega proposta do OGE 2023 até 15 de dezembro

O Governo angolano assegurou nesta quinta-feira, 24 de novembro, que vai entregar a proposta do Orçamento Geral do Estado (OGE)…
Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Cabo Verde regista três casos da sub-linhagem da variante Ómicron “BQ.1.1”

Segundo a Ministra da Saúde de Cabo Verde, Filomena Gonçalves, desde o início de novembro houve um pequeno aumento dos…
Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

Portugal reconhece qualificações académicas de 100 refugiados ucranianos

A Direção-Geral do Ensino Superior (DGES) de Portugal já reconheceu as qualificações académicas de cerca de 100 cidadãos ucranianos desde…