Instituto de Medicina Legal está a ser investigado por um alegado desvio de cerca de 2 milhões de euros

O Instituto de Medicina Legal e Ciências Forenses (IMLCF) está a ser investigado pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Coimbra por um alegado desvio de dois milhões de euros entre 2006 e 2014 para associações de direito privado à qual alegadamente estariam associados dirigentes do Instituto, avança a edição desta quinta-feira do Observador.

Questionada pelo Observador, fonte oficial da Procuradoria-Geral da República (PGR) confirmou a abertura do inquérito. “O mesmo encontra-se em investigação” e “não tem arguidos constituídos”, adiantou a mesma fonte.

O relatório final do processo de averiguações ao qual o Observador teve acesso, centrou-se na análise da “realização de eventos de formação e prestação de serviços ao exterior” por parte do INMLCF entre 2006 e 2014.

Tais eventos na área de Medicina Legal consistiam, na organização de cursos e ações de formação e na organização de congressos, que eram feitas em parceria e ao abrigo de protocolos assinados entre o Instituto e o Centro de Estudos de Pós-Graduação em Medicinal Legal (CEPGML), e a Associação Portuguesa de Avaliação do Dano Corporal (APADAC).

De acordo com o relatório assinado pela instrutora Ariana Martins, os eventos seriam organizados por estas duas associações, assumindo o INMLCF os respetivos custos e disponibilizando os seus funcionários como formadores.

No entanto, conta o Observador, que de acordo com o relatório os cursos seriam organizados pelas associações privadas mas as despesas, “nomeadamente custos com trabalhadores, professores e membros da direção, equipamentos, viaturas, edifícios, eletricidade, material de divulgação, etc.” eram suportadas pelo INMLCF. Mas as receitas eram “recebidas pelas associações de direito privado”.

Isto é, o montante total da receita de tais eventos, que ascende a “2.004.500 euros”, deveria ter sido recebida e contabilizada pelo Instituto, o que não terá acontecido. “As receitas não registadas contabilisticamente a favor do INMLCF, não obstante o dispêndio de recursos, na ordem de mais de 2 milhões de euros, terão sido recebidas por pessoas coletivas de direito privado, nomeadamente pelo CEPGML”, lê-se no relatório.

A ministra da Justiça foi informada mas manteve a nomeação da nova direção, referida no caso.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Acompanhar os que vivem nos lugares mais remotos dos Andes é um desafio no Peru

Na Diocese de Tacna e Moquegua, que cobre uma vasta área na região do Altiplano, entre os Andes e o…
Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

Cabo Verde: Júlio Correia solicita desfiliação do PAICV

O militante de longa data do Partido Africano da Independência de Cabo Verde, PAICV, Júlio Correia, solicitou a sua imediata…
Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Namíbia: Governo e UNICEF vão promover acesso gratuito à internet nas escolas

Duas mil e duas escolas estão mapeadas para beneficiar do Projecto Giga do Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF)…
Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

Artista plástico Miranda Brito expõe "Tramitações de Vidas" até ao final do mês

O artista plástico Miranda Brito expõe, na Biblioteca Municipal de Setúbal, “Tramitações de Vidas”. A exposição, inaugurada no passado dia…