África Subsaariana | Nacional | Segurança

Soldados portugueses “devem estar orgulhosas do que estão a fazer” na RCA

As tropas portuguesas na República Centro-Africana (RCA) “devem estar orgulhosas do que estão a fazer”, protegendo civis de grupos armados, num teatro de operações marcado por extrema violência, disse o general Marco Serronha.

Em entrevista à agência Lusa em Lisboa, antes de regressar à sede da missão multinacional das Nações Unidas (MUNISCA) na RCA, com cerca de 11 mil soldados, Serronha disse que as tropas portuguesas realizaram operações de pacificação em várias regiões do país, assim como na protecção de refugiados.

A proteção dos civis é o principal objetivo da MINUSCA da RCA. A força de reação rápida portuguesa tem 159 soldados. Serronha disse que a realidade é que a força portuguesa – a única força europeia em ação no campo na MINUSCA – é a melhor tecnologicamente equipada e a mais bem treinada, cumprindo padrões de eficácia que não estão ao alcance da maioria das forças.

Serronha reconheceu que é “óbvio que não podemos dizer que não há risco”. “Tivemos três baixas leves envolvendo quatro soldados”, disse.

Além das condições no campo, a força portuguesa sofre com o que Serronha chamou de “guerra psicológica”: “[os grupos armados] anunciam que os portugueses massacraram pessoas nos lugares onde estamos, é evidente que isso é negado pela MINUSCA e todos, mas tentam pressionar psicologicamente a força portuguesa para inibir que tenha uma ação operacional mais efetiva ”, especialmente em Bambari.

A República Centro-Africana mergulhou no caos e na violência em 2013, após o afastamento do presidente François Bozizé por vários grupos maioritariamente muçulmanos, entre os quais a coligação Séléka.

Um grupo de milícias armadas cristãs, conhecidas como os Anti-Balaka, manifestou-se contra essa coligação, desencadeando uma guerra civil que continua até hoje, e que já matou centenas de milhares de civis.

© e-Global Notícias em Português
Comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Topo