Autoridades portuguesas realizaram operação para travar ações criminosas de organização italiana com ligações ao PCC do Brasil

A Polícia Judiciária Portuguesa, através da Unidade Nacional de Contraterrorismo e do Gabinete de Recuperação de Ativos, em concertação com o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), no âmbito de Cooperação Judiciária e Policial com as Autoridades Judiciárias Italianas, levou a cabo uma operação policial destinada ao cumprimento de vários mandados de busca domiciliária e não domiciliária, bem como ao cumprimento de mandados de detenção europeus. A ação policial em causa inseriu-se numa “grande operação internacional”, denominada “EUREKA”, que se desenrolou no continente Europeu, nomeadamente em Itália, Alemanha, Espanha, França, Bélgica, Eslovénia, Roménia, e ainda na América do Sul, em países como no Brasil e no Panamá.

A operação realizada visou o desmantelamento de uma organização criminosa, de estilo mafioso, conhecida por “Ndrangheta”, originária da cidade de San Luca, em Régio-Calábria, Itália, sendo reconhecida como a “maior organização policriminal italiana”, com ligações ao Primeiro Comando da Capital (PCC) do Brasil e responsável pelo transporte e Tráfico de grandes quantidades de cocaína para a Europa, Tráfico de armas, posse ilegal de armas, fraude e evasão fiscal, branqueamento de capitais e corrupção.

A rede criminosa, liderada por famílias poderosas da Calábria, estiveram envolvidas durante décadas em episódios de violência entre clãs, com vários confrontos armados em San Luca, que culminaram em tiroteios em massa em Itália e no estrangeiro, com particular destaque para o massacre de Duisburg, na Alemanha, em 2007.

A nível nacional, esta ação policial teve lugar em Braga, Vila Nova de Gaia, Aveiro e Lisboa, aquando da detenção de um homem, de 62 anos de idade, de nacionalidade italiana e encontra-se indiciado pela prática de crimes de associação criminosa, de branqueamento de capitais e de tráfico de estupefacientes, saldando-se na apreensão vastos elementos de prova, documentos, viaturas e dinheiro (cerca de meio milhão de euros), bem como o arresto dos ativos de nove sociedades comerciais, incluindo cinco estabelecimentos de restauração.

Globalmente, a Operação “EUREKA” resultou na detenção de 108 suspeitos ligados à organização mafiosa.

Ígor Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

Guiné-Bissau: Partidos alertam para a agudização da instabilidade e caos total

A Coligação PAI Terra Ranka e o Fórum para a Salvação da Democracia, que congrega MADEM-G15, PRS e APU-PDGB, reuniram…
Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique recebe mais USD 60 milhões do FMI

Moçambique vai receber 60 milhões de dólares do Fundo Monetário Internacional (FMI), no âmbito do programa de assistência ao país. …
Cabo Verde: CMP trabalha para resolver reivindicações dos trabalhadores

Cabo Verde: CMP trabalha para resolver reivindicações dos trabalhadores

A Câmara Municipal da Praia (CMP) reafirmou o compromisso de resolver as reivindicações dos trabalhadores. No entanto, sublinhou que muitos…
Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Oito funcionários do Departamento da Migração de Lilongue e mais dois civis foram, esta quinta-feira (11), detidos por suspeita de…