Índia tem como meta 2070 para emissões líquidas zero. China não assume novos compromissos.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, prometeu atingir as emissões líquidas de carbono zero até 2070, duas décadas além da meta estabelecida pelos organizadores da COP26 e pelo anfitrião Boris Johnson, o primeiro-ministro do Reino Unido.

Modi disse que o país tem cinco promessas relacionadas ao clima, incluindo atender 50% de suas necessidades de energia por meios renováveis ​​até 2030. “Em 2070, a Índia alcançará a meta de emissões líquidas zero”, disse o líder indiano. O país é o terceiro maior emissor de carbono do mundo .

A Índia representa 17% da população mundial e 5% das emissões de carbono, disse Modi, acrescentando que “cumpriu tanto na letra como no espírito os compromissos de Paris”, referindo-se ao Acordo de Paris de 2015.

Enquanto isso, o presidente da China, Xi Jinping, pediu aos países que tomem “ações mais fortes” em relação às alterações climáticas num comunicado escrito divulgado na segunda-feira durante a sessão da COP26, em Glasgow.

Xi, que não compareceu pessoalmente, também pediu que os países desenvolvidos ajudem os países em desenvolvimento a fazer mais. Os espectadores notaram que a declaração falhou em fazer quaisquer novos compromissos sobre a mudança climática. A meta da China para o zero líquido também está bem além da meta de 2050.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.




Artigos relacionados

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

MPLA, FRELIMO, ANC e SWAPO querem formação contínua dos militantes

Militantes e delegados dos partidos MPLA (Angola), FRELIMO (Moçambique), ANC (África do Sul) e SWAPO (Namíbia) terminam neste sábado, 26…
Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

Moçambique: Autarquias locais mantêm dependência do OE

O presidente da Comissão de Administração Pública e Poder Local da Assembleia da República de Moçambique, Francisco Mucanheia, chefiou um…
Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

Timor-Leste: Construção do Porto de Tíbar alcançou os 72% em 2021

O Ministério das Finanças de Timor-Leste informou, através de um documento, que a construção do Porto de Tíbar chegou a 72%…
Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Moçambique: Paralisação de fábricas de processamento de castanha de cajú empurra mais de 17 mil pessoas para o desemprego em Nampula

Na província moçambicana de Nampula, 17.182 trabalhadores foram empurrados para o desemprego nos dois últimos anos na sequência da paralisação…
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin