Brasil não é convidado para a reunião do G7 

O Brasil ficou de fora da lista de convidados para a reunião do G7, a cúpula que reúne as principais nações do mundo desenvolvido, formada por Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, França, Canadá, Itália, Japão e a União Europeia. A cada reunião, o país anfitrião costuma chamar convidados para a reunião. 

A Alemanha, país que preside o G7 este ano, convidou para a reunião que acontecerá em junho a África do Sul, a Índia, a Indonésia e o Senegal. Na edição passada, no Reino Unido, os convidados foram Austrália, Índia, África do Sul e Coreia do Sul. 

Em 2020, o Brasil tinha a perspectiva de ser convidado, quando o anfitrião foi os Estados Unidos, então presidido por Donald Trump. Mas a reunião não aconteceu por causa da pandemia de covid-19. Em 2019, na França, também o Brasil ficou de fora. 

Embora não participe, o Brasil deverá ser tema dos debates, porque a pauta da reunião do G7 incluirá a questão ambiental, a política climática e questões que envolvem a sustentabilidade do planeta. 

Carlos Vasconcelos – Correspondente 

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Moçambique: PRM dá nota positiva ao balanço da quadra festiva

Moçambique: PRM dá nota positiva ao balanço da quadra festiva

Decorreu ontem, 05 de janeiro, em Maputo, a reunião de balanço da quadra festiva, à qual os representantes da Polícia…
Como criar boas palavras-chave

Como criar boas palavras-chave

Todos os dias utilizamos passwords para acesso aos mais variados serviços ou aplicações. Uma password, senha, palavra-chave ou passe serve…
Investigador da Universidade de Coimbra descobre fóssil de nova espécie de conífera

Investigador da Universidade de Coimbra descobre fóssil de nova espécie de conífera

Um investigador do Centro de Ciências do Mar e do Ambiente (MARE) da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade…
Ucrânia e Rússia acusam-se de ataques durante o cessar-fogo

Ucrânia e Rússia acusam-se de ataques durante o cessar-fogo

Os ucranianos e os russos denunciaram a ocorrência de ataques depois da entrada em vigor do cessar-fogo de 36 horas…