Moçambique: Terroristas matam três soldados no distrito de Macomia

Os ataques terroristas continuam a desenrolar-se no distrito de Macomia, em Cabo Delgado. No último domingo, uma posição das Forças de Segurança e Segurança – FDS, foi atacada no posto administrativo de Quiterajo, a cerca de 90 quilómetros da sede do distrito.  Neste ataque, pelo menos três soldados das forças moçambicanas perderam a vida.

O ataque foi reveindicado, esta segunda-feira, pelo estado Islâmico, através de seus canais. O jornalista da TVM, estação televisiva pública moçambicana, Brito Simango, confirmou na sua conta de Facebook a morte dos três soldados citando fonte oficial das Forças Armadas de Moçambique – FADM.

Nas últimas semanas, de acordo com fontes locais, várias unidades das forças de defesa e segurança moçambicanas e ruandesas foram vistas na sede do distrito a dirigirem-se aos postos administrativos de Mucojo e Quiterajo, onde se acredita que a 4 deste mês iniciaram uma operação com vista à desmantelação das novas posições terroristas.

Deixe uma resposta




Artigos relacionados

Ucrânia e Rússia acusam-se de ataques durante o cessar-fogo

Ucrânia e Rússia acusam-se de ataques durante o cessar-fogo

Os ucranianos e os russos denunciaram a ocorrência de ataques depois da entrada em vigor do cessar-fogo de 36 horas…
Moçambique: Vítima decapitada por terroristas em Nangade

Moçambique: Vítima decapitada por terroristas em Nangade

Um cidadão foi decapitado por terroristas nesta quarta-feira, 04 de janeiro, junto à aldeia Chacamba, a sete quilómetros da sede…
Afeganistão e China assinam contrato para extração de petróleo

Afeganistão e China assinam contrato para extração de petróleo

As autoridades talibãs do Afeganistão assinaram nesta quinta-feira, 05 de janeiro, um contrato com a empresa chinesa Central Asia Petroleum…
Revista de Imprensa Lusófona de 06 de janeiro de 2022

Revista de Imprensa Lusófona de 06 de janeiro de 2022

O “Jornal de Angola” menciona “Partido FNLA admite pendente na entrega do relatório financeiro”. No “Portal de Angola” lê-se “PRS…