Portugal: Angolanos em Castelo Branco celebram valorização da Kizomba como património cultural imaterial

Margarett Neves, presidente da Associação de Angolanos em Castelo Branco, em Portugal, mostrou-se otimista com a declaração oficial do governo de Angola que decidiu classificar a Kizomba, género musical oriundo do país africano, como património cultural imaterial.

“Pensamos fazer no futuro ações sobre a Kizomba, pois temos de tirar proveito e promover internacionalmente o nome da Angola, até porque a Kizomba já é promovida mundialmente”, disse a presidente da Associação de Angolanos em Castelo Branco sobre o ritmo de Angola mais ouvido por diversos cantos do planeta.

Recentemente, o governo angolano declarou a Kizomba e a Tchianda, géneros de música e dança angolanos, como “património cultural e imaterial do país no domínio das práticas sociais, rituais e atos festivos”. O objetivo é, segundo apurámos, “proteger esses patrimónios culturais de possíveis usurpações e garantir a sua preservação”.

Margareth Neves expressou entusiasmo com a notícia, explicando que “a Kizomba é uma dança sensual, bonita e já deveria ter sido reconhecida há mais tempo”.

Este responsável sublinha a importância da união e das características do povo angolano.

“O povo angolano é super mexido, sensual, amigo, comunicativo e somos todos de língua portuguesa”, afirmou, reforçando a necessidade de promover e valorizar ainda mais o património cultural do país, além de sublinhar que “os angolanos precisam de estar unidos tirar proveito dos ganhos dessa iniciativa do governo de Angola”.

A declaração como património cultural e imaterial da Kizomba visa ainda “evitar a sua usurpação” e a promoção de medidas “visando à sua valorização e preservação para as gerações futuras”. A iniciativa sublinha a importância de salvaguardar estas expressões culturais autênticas para o futuro.

A Kizomba é uma dança sensual e envolvente, originária de Angola. Os movimentos suaves e a conexão íntima entre os parceiros tornam essa dança especial.

Além da Kizomba e da Tchianda, foram reconhecidos como patrimónios imateriais nacionais a marimba e o quissanje, no domínio dos saberes e ofícios tradicionais, informou a Lusa. O executivo angolano também classificou como património histórico-cultural a Igreja Metodista Unida da Cidade de Malanje, a Igreja da Missão Católica do Cuvango, na província de Huíla, e o edifício do Colégio São José de Cluny, em Luanda.

Ígor Lopes

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *




Artigos relacionados

Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Maláui: Brigada Anticorrupção manda prender oito funcionários da Migração por suspeita de corrupção 

Oito funcionários do Departamento da Migração de Lilongue e mais dois civis foram, esta quinta-feira (11), detidos por suspeita de…
Portugal: Aposta na inovação no setor agroindustrial marcou celebração de 15 anos da InovCluster em Castelo Branco

Portugal: Aposta na inovação no setor agroindustrial marcou celebração de 15 anos da InovCluster em Castelo Branco

A InovCluster – Associação do Cluster Agroindustrial do Centro, uma das mais destacadas instituições no setor, localizada em Castelo Branco,…
Guiné-Bissau: Nabiam acusa Sissoco de pretender eliminar líderes políticos guineenses

Guiné-Bissau: Nabiam acusa Sissoco de pretender eliminar líderes políticos guineenses

O antigo Primeiro-ministro e líder da APU-PDGB, Nuno Gomes Nabiam, acusou, esta quinta-feira, 11 de Julho, o Presidente da República…
Moçambique: Actividade Económica continuou fechada na vila de Macomia enquanto FADM justifica a razão da morte de um comerciante local 

Moçambique: Actividade Económica continuou fechada na vila de Macomia enquanto FADM justifica a razão da morte de um comerciante local 

Na terça-feira (9) a vila de Macomia, centro de Cabo Delgado, ficou agitada na sequência de uma manifestação da população…